SEU CRIME, SEU SOFRIMENTO (Legendado) – 2012

EEGA / MAKKHI (ÍNDIA) – 2012
COMÉDIA – DRAMA – FANTASIA
DIREÇÃO: S.S. Rajamouli, J.V.V. Sathyanarayana
ROTEIRO: S.S. Kanchi, Janardhan Maharshi, Crazy Mohan, Vijayendra Prasad, S.S. Rajamouli
IMDb: 7,9 http://www.imdb.com/title/tt2258337/

LEGENDADO

Postado por Scarface



Formato: MKV
Qualidade: BRRip
Tamanho: 1,22 GB
Duração: 145 min.
Áudio: Hindi
Legendas: Português
Servidor: Mega
Uploader: Scarface

Parte 01: SEU CRIME, SEU SOFRIMENTO

Parte 02: SEU CRIME, SEU SOFRIMENTO

Parte 03: SEU CRIME, SEU SOFRIMENTO


Sundeep é um empresário bem sucedido e conquistador. Porém, ao conhecer a linda Bindu, fica totalmente fora de si. Ele descobre que ela é apaixonada por Nani e, em um acesso de raiva, acaba matando-o. O que ele não contava é que Nani reencarnaria em uma mosca, disposto a se vingar de seu assassino, a qualquer custo. Agora, o empresário está correndo risco de vida e terá que fazer de tudo para sobreviver aos ataques de Nani.


Sudeep … Sudeep
Nani … Nani
Samantha Ruth Prabhu … Bindhu
Santhanam … Govindhan
Srinivasa Reddy … Sudeep’s Assistant (Telugu version)
Adithya … Sudeep’s Assistant
Devadarshini Chetan … Bindhu’s sister-in-law
Thagubothu Ramesh … Drunk Robber
Abhiram
Hamsa Nandini
Crazy Mohan … Doctor

6 comentários para SEU CRIME, SEU SOFRIMENTO (Legendado) – 2012

  • Don Costa  Disse:

    Este já é o segundo filme indiano que me surpreende em poucos meses.
    “Eega” (literalmente traduzido como “mosca”), é um daqueles filmes despretensiosos do país de Gandhi. Leve e descontraído, narra a história de um jovem que é assassinado e reencarna como uma mosca, que parte em busca de vingança. Parece nonsense. E é mesmo. Além de exagerado como todo bom filme indiano. E é por isso mesmo que ele é bom.
    Essa liberdade dada pela premissa, que nos livra de querer procurar lógica e sentido na história, torna o filme agradável e envolvente.
    A linguagem da narrativa varia constantemente, às vezes como novela (com mais de uma câmera na mesma cena), às vezes como cinema de arte (planos longos em velocidades variadas) e até algumas passagens tão diretas e objetivas quanto um comercial de tv. Isso faz com que a história flua sem atropelos, já que os vários elementos do filme são apresentados com linguagem narrativa própria. Quase não é necessário o artifício de se mostrar a casa do personagem antes de colocá-lo em cena, ajudando o espectador a se localizar na história.
    Há muitos momentos de humor pastelão, humor refinado, romance, drama e fantasia. “Eega” faz você rir, mas também emociona.
    Há uma sensibilidade em algumas passagens típicas dos filmes orientais. A forma de contar a história utiliza bem todos os recursos audio visuais. Assim que a mosca nasce, ainda no casulo, a trilha sonora toma conta da situação e nos passa as sensações de descoberta, medo e aprendizado que ocorre em todo nascimento. Passam-se mais de 10 minutos até que ocorra outro diálogo. Neste meio tempo, acompanhamos esse pequeno ser na redescoberta do mundo gigantesco à sua volta, com todos os seus perigos, que vão desde uma singela bolha de sabão à um pássaro faminto. Essa passagem lembra alguns animés onde o diálogo não é necessário.
    Depois destes minutos, já simpatizamos com a mosca e passamos a torcer por ela.
    Mas afinal, o que uma pequena mosca é capaz de fazer contra um homem? O filme é criativo neste aspecto e apresenta boas soluções.
    “Eega” também nos mostra mais um pouco da cultura indiana. Ele tem um pouco de hinduísmo, confucionismo e budismo, doutrina pelo qual toda forma de vida é sagrada e nenhum ser vivo é insignificante, por menor que seja. Mesmo uma mosca tem sua razão de ser.
    Ora ingênuo, ora caricato, ora dramático, ora sofisticado, “Eega” emociona, diverte e tem uma certa personalidade. Os efeitos especiais são muito bons e a mosca é muito bem feita. O acabamento final é primoroso e o visual é caprichado.
    Não se deve assisti-lo com o olhar ocidental. Deve-se assisti-lo com a mente aberta para novas experiências e ser receptivo a outras culturas e linguagens.
    Esse é um filme que recomendo.
    Muito obrigado pela postagem, amigo Scarface.
    E um grande abraço.

  • Modesto  Disse:

    Realmente Don Cosa, é interessante para nós ocidentais observarmos a cultura oriental. Outro filme que me surpreendeu, também indiano é :”Como Estrelas na Terra”, muito bom, recomendo.

    • Don Costa  Disse:

      Obrigado pela recomendação, Modesto.
      Já o coloquei na minha lista de filmes que assistirei em breve.
      Aproveito para recomendar o outro filme indiano que me cativou. “Endhiran” (Robô), que também está disponível aqui no Tela.
      É mais longo e, por incrível que pareça, um pouco mais inverossímil que Eega, porém é tão divertido e emocionante quanto.
      E VIVA A DIVERSIDADE CULTURAL DESTE MUNDÃO DE DEUS.
      Mesmo se um homem vivesse mil anos ele não conseguiria contemplar todas as nuances das diferentes culturas do planeta.
      Ainda bem!!
      Grande abraço.

  • Scarface  Disse:

    Não preciso nem dizer mais nada, tu já disse tudo, Dom. Espero que inspiradas na sua opinião, mais pessoas deem chance pra essa pequena pérola.

    Esse “Como Estrelas na Terra” eu não conhecia, também já anotei aqui. E outra produção indiana que me passou a rasteira recentemente foi um tal de Gangs of Wasseypur. Recomendo muito…

    Abração!

  • farra4ever  Disse:

    Obrigado.

  • dutrabr98  Disse:

    os arquivos estao bugados eles nao sao reconhecidos como zip mudando o nome a parte 2 e 3 passam a ser reconhecida como zip mas a parte 1 eu nao consegui ;-;

Deixe uma resposta