PAGUE PARA ENTRAR, REZE PARA SAIR (Dublado) – 1981

THE FUNHOUSE – 1981
TERROR
DIREÇÃO: Tobe Hooper
ROTEIRO: Lawrence Block
IMDb: 5,7
http://www.imdb.com/title/tt0082427/

DUBLAGEM CLÁSSICA

Postado por Sparrow

Dados do arquivo:
Formato: AVI
Qualidade: DVDRip
Tamanho: 729 MB
Duração: 91 min.
Legendas: S/L
Áudio: Português
Servidor: 4Shared (dividido em 4 partes)

ATENÇÃO: Para baixar pelo 4Shared é necessário se cadastrar.
Clique aqui e aprenda a se cadastrar no 4Shared.

LINKS:
Parte 01: PAGUE PARA ENTRAR, REZE PARA SAIR
Parte 02: PAGUE PARA ENTRAR, REZE PARA SAIR
Parte 03: PAGUE PARA ENTRAR, REZE PARA SAIR
Parte 04: PAGUE PARA ENTRAR, REZE PARA SAIR

SENHA: teladecinema_blog

AVISO: Digite a senha, não use copiar e colar.

Sinopse: Quatro adolescentes visitam o parque de diversões local para uma noite de diversão inocente. Eles logo descobrem, contudo, que não havia nada de inocente ou divertido por lá. Pelo contrário, eles encontram o terror absoluto quando ficam presos dentro do labirinto da Casa Maluca. Um por um, as vítimas são perseguidas e eliminadas com requintes de crueldade. Tobe Hooper (de O Massacre da Serra Elétrica e Poltergeist – O Fenômeno) mostra porque pode ser considerado um dos novos mestres do terror, graças ao seu estilo tenso e diferente de tudo o que havia sido feito até então.




Elenco:
* Elizabeth Berridge (Amy Harper)
* Shawn Carson (Joey Harper)
* Jeanne Austin (Mrs. Harper)
* Jack McDermott (Mr. Harper)
* Cooper Huckabee (Buzz Dawson)
* Largo Woodruff (Liz)
* Miles Chapin (Richie)
* David Carson (Geek)
* Sonia Zomina (Bag Lady)
* Ralph Morino (Truck Driver)
* Kevin Conway (Funhouse / Freakshow / Stripshow Barkers)
Ver elenco completo >>>

Ficha técnica:
# país: EUA
# duração: 90 min
# estúdio: Mace Neufeld Productions, Universal Pictures
# distribuidora: Universal Pictures
Mais informações >>>

Crítica:

Criador de clássicos como O Massacre da Serra Elétrica (The Texas Chain Saw Massacre, 1974) e Poltergeist – O Fenômeno (Poltergeist, 1982), o diretor Tobe Hooper também foi responsável por uma pequena produção realizada em 1981, que não virou referência, não marcou época e nem alcançou sucesso nas bilheterias. Recebendo no Brasil o título de Pague Para Entrar, Reze Para Sair (The Funhouse), o filme pode não ter feito história como os grandes sucessos de Hooper, mas é lembrado até hoje pelo público por contar uma história simples e interessante que é a cara dos anos 80, além de utilizar como cenário um parque de diversões. Desenvolvendo essa idéia, Hooper mostra como diferente e aterrador pode se tornar um local que passa a ser conhecido a partir de quando as luzes são apagadas.

Ao começo do filme conhecemos a jovem Amy (Elizabeth Berridge), que ao lado do namorado Buzz (Cooper Huckabee) e de um outro casal de amigos (Largo Woodruff e Miles Chapin) procura alguma forma de entretenimento para passar a noite. Logo o lugar escolhido será um parque de diversões que acabou de chegar na cidade. Primeiramente Amy se mostra contrária à idéia de seguir com o grupo por causa de uma história envolvendo duas garotas que desapareceram após terem ido para o tal parque alguns anos antes. Ela acaba sendo convencida pelos amigos do contrário e segue escondida dos pais. Uma vez no local, os amigos começam a se divertir com as atrações até que Buzz tem a idéia do grupo descer dos carrinhos do trem fantasma durante o percurso do brinquedo e se esconder dentro do mesmo para passar a noite no parque fechado.

O plano é executado com sucesso e o grupo permanece no interior do trem fantasma sem ser notado no momento em que o parque já está encerrando as suas atividades. Os quatro amigos saem de seus esconderijos e começam a explorar o local, até que, curiosos, começam a observar através de uma janela o que está acontecendo dentro de uma sala. Eles verão então que nem todos os funcionários do local têm aparência ou comportamento como o de pessoas normais, como o filho mutante do dono do parque que possui rosto deformado e comportamento insano. E o que seria uma noite de diversão, vai se transformando aos poucos no mais real dos pesadelos para os amigos.

Claro que em pouco tempo o grupo será descoberto, claro que serão perseguidos e mortos um por um, claro que quase todos vão morrer, restando apenas um sobrevivente e não será difícil descobrir quem será essa pessoa sortuda. Pague Para Entrar não é um filme para se ter grandes surpresas. Trata-se de uma produção ruim por isso? Claro que não. Tob
e Hooper consegue criar um interessante clima de medo dentro do parque, aliás, um dos grandes acertos do diretor foi o de pegar a idéia de parque de diversões e reinventá-lo de forma a causar medo. Algo na verdade não muito difícil de ser feito. Você já esteve em um parque de diversões fechado e durante a noite? Trata-se de um local realmente assustador. No lugar de risos e barulho temos silêncio, escuridão, vazio. Em outras palavras, um ambiente realmente macabro e será nesse novo universo que os quatro amigos vão passar a noite tentando sobreviver a algo que eles não sabem ao certo o que é.

Visto hoje pela primeira vez, o filme seria capaz de provocar risos ou constrangimento em uma platéia acostumada com grandes produções do terror atual, repleto de cenas editadas especialmente para provocar susto e de efeitos digitais bem realizados. Para essas pessoas, a já longínqua década de 80 parece ter acontecido na verdade há mais de 100 anos tamanha a evolução que o gênero tenha passado até hoje. Claro que atualmente temos excelentes produções assim como grandes porcarias, mas seria injusto renegar o valor que os filmes de terror dos anos 80 tiveram para a época e como influenciaram parte das atuais produções. E Pague Para Entrar tem justamente esse estilo anos 80, seja na própria forma da história ser conduzida ou simplesmente no figurino usado pelo elenco. Mas engana-se quem pensa que dar a um filme o rótulo de anos 80 é algo negativo. Para o cinema do terror foi uma época de boas obras e na qual as produções se tornaram bastantes populares para o grande público.

O cinema de terror sempre apostou em monstros e situações de medo para vender seus produtos. Desde a primeira vez que filmes com múmias, homens lagartos e Frankensteins foram realizados, o cinema simplesmente passou a aprimorar cada vez mais este conceito. Tudo na vida acontece na forma de evolução e no cinema não poderia ser diferente, seja na forma de filmar, de editar e até mesmo de lançar um filme. E no começo dos anos 80, novas produções estavam sendo apresentadas ao mundo, como as séries Halloween (1978) e Sexta-feira 13 (Friday the 13th, 1980). E durante toda a década várias obras de peso foram surgindo como A Hora do pesadelo (Nightmare on Elm Street, 1984), Hellraiser (1986), entre várias outras. Trabalhos que existem e são cultuados até hoje, independente da qualidade de cada um. E foi nesse contexto que Pague Para Entrar, Reze Para Sair foi concebido. Uma época onde vários filmes foram produzidos com orçamentos pequenos, elenco pouco conhecido ou iniciante, personagens com pouca ou sem nenhuma profundidade e diretores criativos. O resultado podia ser positivo ou negativo.

Em Pague Para Entrar, o diretor Tobe Hooper vai conduzindo a trama de forma a criar um ambiente claustrofóbico para os personagens. Salas escuras e apertadas são exploradas para causar a sensação de que as vítimas em potenciais não têm para onde fugir. Cada corredor pode significar morte certa e em alguns momentos os personagens se vêem literalmente sem terem para onde fugir. Hooper consegue criar esse clima aos poucos e de forma interessante.

Natural do Texas, Hooper dirigiu em 1974 o clássico Massacre da Serra Elétrica, realizando um dos filmes mais perturbadores e violentos do gênero conseguindo impressionar até hoje. Por esse motivo já pôde gravar seu nome na calçada da fama do terror. Dono de uma carreira irregular, Hooper dirigiu bons exemplares do gênero, como Eaten Alive (1976), Poltergeist (1982), além de episódios de séries como “Freddy´s Nightmare” (1988) e “Tales from the Crypt” (1989). Como ninguém é perfeito, ele também deu algumas mancadas durante a carreira como A Morte Veste Vermelho (I´m Dangerour Tonight, 1990) e Noites do Terror (Tobe Hooper’s Night Terrors, 1993). A pior delas, no entanto foi ter dirigido a bomba cômica chamada O Massacre da Serra Elétrica 2 (The Texas Chain Saw Massacre 2, 1986).

Podemos dizer então que Pague Para Entrar seria o meio termo do diretor. Um bom filme, mas com falhas e limitações, talvez financeiras, criativas ou simplesmente da época. Visto hoje por alguém pela primeira vez, passaria despercebido, mas que marcou quem o assistiu nos saudosos anos 80. Para esse público, é impossível ir a um parque de diversões e não se lembrar em algum momento do filme e principalmente se sentir um pouco temeroso por caminhar neste mesmo lugar sozinho caso esteja fechado e vazio. Sentir certo receio de andar por esse espaço acontece graças à lembrança do filme. Não que Pague Para Entrar seja inesquecível, mas algo desta produção permanece e fica marcado para o telespectador. Quase como um trauma de infância.

Por Filipe Falcão (Boca do Inferno)

Arquivo corrompido? Senha incorreta? Arquivo sem áudio?
Arquivo sem imagem? Arquivo sem legenda? Link com defeito?

Leia o tópico de AJUDA: http://tel4decinem4.blogspot.com.br/p/ajuda.html

11 comentários para PAGUE PARA ENTRAR, REZE PARA SAIR (Dublado) – 1981

  • Anonymous  Disse:

    Esse filme é maravilhoso e na dublagem clássica melhor ainda obrigado capitão…

    Werewolfx

  • Anonymous  Disse:

    Podem falar o que for, esse filme é um “pequeno clássico” no bom sentido. Original, simples e divertido! Filme obrigatório para quem curte um terror básico…Tentei baixar, mas a parte 2 não abre.

  • Anonymous  Disse:

    capitão esse filme é um classico pra quem assistiu obrigado pelo site

  • Sparrow  Disse:

    É nostalgia pura marujo, uma pérola para quem ama a década de 80.

  • denis  Disse:

    melhor site de filmes na minha opinião.
    parabéns

  • Thales Rodriguês  Disse:

    eu fiquei chateado gravei o filme tudo certinho e fica travando na metade do filme

  • Mauricio Mixx  Disse:

    NOSSA MAIS QUE MARAVILHA DE POSTAGEM, GRANDE CLÁSSICO, OBRIGADO MESMO, DUBLAGEM ORIGINAL E NO 4 SHARDE QUE DEIXA A GENTE BAIXAR TODOS OS 4 LINKS AO MESMO TEMPO E COM VELOCIDADE MUITO BOA TAMBÉM…. OBRIGADO ABRAÇOS MAURICIO

  • robinho justino  Disse:

    ola amigos eu baixei ai pronto eu marco todas as 4 partes e vo extrair ai coloco a senha mais ai apareçe
    corrupt file or wrong password o que pode ser vcs mudaram a senha se mudaram por fv mandem me por email desde ja agradeço

    • Sparrow  Disse:

      a senha é a padrão:

      teladecinema_blog

      tudo em letra minúscula, o sinal é o underline _ não o negativo –
      não copie e cole a senha, escreva (digite)

      se for arquivo corrompido geralmente na mensagem de erro se pode ler qual a parte danificada (ex. part01)
      então basta baixar novamente a parte danifica e tentar descompactar.

    • robinho justino  Disse:

      mto obg amigo era o sinalo underline que eu estava pondo errado vlw ai mto bom o site continui assim

Deixe uma resposta