O QUE TERÁ ACONTECIDO A BABY JANE? (1080p/Dual Áudio) – 1962

What Happened To Baby Jane (EUA) – 1962
Drama – Horror – Thriller
Direção: Robert Aldrich
IMDB: 8,1 http://www.imdb.com/title/tt0056687/

Imagem

BRRip – 1080p – Dual Áudio – Dublagem Clássica Herbert Richers

Postado por Julian

DADOS DO ARQUIVO:

Formato: MKV
Qualidade: BRRIP (1920 x 1080p)
Tamanho: 3.04 GiB
Duração: 2h 13min
Áudio 1: Dublagem Herbert Richers – AC-3, 1.0 Ch. (Fonte: Blu-Ray)
Áudio 2: Inglês – AAC, 1.0 Ch.
Legendas: Português, Espanhol e Inglês (selecionáveis).
Servidor: 4Shared (4 partes – Arquivos RAR)
Crédito do áudio dublado: chuni
Upload: Julian

LINKS:

Pasta de arquivos (4 partes):

4shared

Senha: UPbyJulian

AMOSTRA:

SINOPSE:

Jane Hudson (Bette Davis), é uma veterana atriz de teatro que alcançou a fama quando menina e ficou conhecida como “Baby Jane”. Agora envelhecida e distante do público há muitos anos, vive encerrada em uma mansão com sua irmã, Blanche Hudson (Joan Crawford), ex-rainha do cinema nos anos 30 e agora presa a uma cadeira de rodas. Disposta a brilhar nos palcos novamente, Jane volta à Baby Jane, passando por cima de tudo e de todos para atingir seu objetivo e iniciando um reinado psicótico de terror sobre sua irmã.

ImagemImagem
Imagem

ELENCO:

Bette Davis … Baby Jane Hudson
Joan Crawford … Blanche Hudson
Victor Buono … Edwin Flagg
Wesley Addy … Marty Mc Donald
Julie Allred … Baby Jane Hudson, in 1917
Anne Barton … Cora Hudson
Marjorie Bennett … Dehlia Flagg

CURIOSIDADES:

– Adaptação de “What Ever Happened to Baby Jane?”, livro de 1960 do escritor americano Henry Farrell, adaptado para as telas pelo roteirista alemão Lukas Heller.
– Segundo Bette Davis em seu livro “This ‘N’ That” originalmente era para o filme ter sido produzido em cores mas ela se opôs alegando que isso faria uma história triste parecer bonita. E assim o filme acabou sendo rodado em P&B.
– O filme foi um sucesso estrondoso logo que lançado, recuperando seu orçamento em apenas 11 dias e faturando um total de U$ 9 milhões. Se ajustado esse valor para 2017 seria equivalente a $72,596,920.53.
– Indicado a 5 prêmios OSCAR em 1963: Melhor Figurino (venceu), Melhor Atriz (Bette Davis), Melhor Ator Coadjuvante (Victor Buono), Melhor Fotografia em Branco-e-preto e Melhor Som.
– O Que Terá Acontecido com Baby Jane sofreu influência de outros filmes clássicos, tais como: “Psicose” (a estrutura interna da casa, a filmagem em preto-e-branco propositalmente, o passarinho na gaiola) e “Crepúsculo dos Deuses” (a ânsia de uma estrela de cinema voltar ao estrelato depois de envelhecida e esquecida).
– Bette Davis e Joan Crawford trabalharam duro para promover o filme, ambas sabiam que compensaria pois abocanhariam uma boa grana em porcentagem da bilheteria com o sucesso do filme. Davis esteve em 17 cinemas no estado de New York em 3 dias para aparições entregando bonecas Baby Jane aos espectadores através de envelopes premiados embaixo das poltronas.
– Este é considerado por muitos o último filme importante de Joan Crawford. Depois dele ela apenas apareceu em alguns filmes menores de horror até seu último filme Trog, o Monstro da Caverna de 1970 e em algumas aparições na TV em 1971 e 1972.
– Quando o produtor William Frye considerava levar o livro às telas em 1960, ele e sua amiga, Bette Davis, tentaram conseguir Alfred Hitchcock para dirigir o filme. Ele não aceitou, pois estava ocupado promovendo Psicose (1960) e tentando transformar Os Pássaros (1963) em um roteiro.
– Ingrid Bergman, Susan Hayward, Rita Hayworth, Katharine Hepburn, Jennifer Jones e Ginger Rogers foram consideradas para o papel de Baby Jane.
– Tallulah Bankhead, Claudette Colbert, Olivia de Havilland e Marlene Dietrich foram consideradas para interpretar Blanche.
– Peter Lawford iria interpretar o personagem Edwin Flagg, mas dois dias depois de aceitar o papel ele desistiu por questões familiares, achando que o papel refletiria mal em sua vida real como cunhado do então atual Presidente John F. Kennedy. Victor Buono, ator e comediante, foi escalado como Edwin. Bette Davis a princípio discordou mas depois acabou aceitando-o.
– Liza Bates, a curiosa filha adolescente da vizinha das Hudson, foi interpretada por Barbara ‘B.D.’ Merrill, filha na vida real de Bette Davis.
– A história do filme se passa em 1917, 1935 e 1962.
– As protagonistas demoram um tempo considerável até aparecerem em cena pela primeira vez, depois de aproximadamente 20 minutos do início do filme.
– O orçamento era tão baixo que a produção não teve condições de usar o habitual processo de montagem em estúdio nas cenas em que Jane dirige pela cidade. A própria Bette teve que dirigir por Hollywood enquanto o cinegrafista a filmava do banco de trás ou por cima do capô do carro. Em 1987 Davis disse que até então ria quando lembrava da primeira vez que Jane dirigiu um velho Hudson pela Beverly Boulevard. As expressões das pessoas nos outros carros quando a viam eram histéricas, muitas ficavam boquiabertas.
– Nas cenas em que Jane imita a voz de Blanche, a voz ouvida é a voz de Joan Crawford e não de Bette Davis, pois Bette não era capaz de imitar a voz de Crawford da forma necessária.
– Bette Davis decidiu criar ela mesma a maquiagem de Jane. “O que eu tinha em mente nenhum profissional de maquiagem ousaria fazer em mim”, disse Davis. A maquiagem a fez parecer uma versão grotesca e velha de Mary Pickford e ela amou isso, orgulhando-se do dia em que o autor do livro visitou o set e disse-lhe “Meu Deus, você parece exatamente como eu imaginei Baby Jane”. Bette disse que imaginava a velha Jane como alguém que nunca lavava o rosto, apenas ia acrescentando mais camadas de maquiagem. A ousadia do visual de Davis preocupou um pouco o diretor Aldrich e os produtores que temiam que pudesse ser muito ‘over-the-top’. No entanto com o tempo perceberam que os instintos de Davis estavam certos e aquele look era super adequado à personagem.
– Enquanto Bette Davis se deliciava em aparecer tenebrosa no filme, o oposto acontecia com Joan Crawford que, acostumada a ser por décadas uma das mais glamourosas estrelas de Hollywood, tinha dificuldade em aparecer pouco atraente nas telas como uma atriz de cinquenta e poucos anos debilitada numa cadeira de rodas. “Era uma constante batalha tentar fazer ela não parecer bonita,” disse Davis. “Ela queria seu cabelo bem arrumado, belos vestidos e unhas com esmalte vermelho. A personagem era uma inválida enclausurada num quarto por vinte anos e ela queria parecer atraente. Ela estava errada.” Segundo Bette, Robert Aldrich levou uma manhã inteira para convencer Joan a remover o esmalte das unhas para uma cena em que ela desce a escada se apoiando no corrimão.
– Segundo Bette Davis, Joan Crawford se recusava a deixar de usar enchimentos. “Como parte de seu guarda-roupa, Miss Crawford tinha três tamanhos de peitos postiços. Na famosa cena em que ela aparece deitada na praia, Joan vestiu os maiores. Sejamos francos, quando uma mulher se deita de costas, não importa o quanto bem provida ela seja, seus seios não ficam empinados. E Blanche era uma inválida deteriorada por vinte anos numa cadeira de rodas. Na cena eu devia cair sobre ela. Eu quase fiquei sem ar. Foi como cair em cima de duas bolas de futebol americano!”
– Bette Davis achava a cena de Jane já adulta revivendo a infância e cantando “I’ve Written a Letter to Daddy,” especialmente memorável. “Ernie (o cameraman) pôs uma luz forte de cima para baixo, que é sempre ruim para uma mulher, especialmente para mim. Enquanto está distante, Jane parece bem, mas ela finalmente para sob a luz em frente ao espelho e se vê como uma velhota decrépita, quando em sua mente ela ainda é jovem. Eu cobri meu rosto com as mãos. Robert Aldrich queria um grito bem alto, mas o que veio foi um choro rouco – eu estava com laringite. Era o certo, e nós sabíamos disso. Aldrich tinha lágrimas nos olhos. ‘Você acaba de ganhar um Oscar’, ele sussurrou. Eu fui para casa cantando naquela noite ‘And the Angels Sing.'”
– Na época em que o filme foi produzido Bette e Joan já haviam passado dos 50 anos e tinham cada vez mais dificuldades em conseguir um bom papel, devido à idade. Bette havia acabado de colocar um anúncio em jornal, procurando emprego de atriz. Robert Aldrich, o diretor de “Baby Jane”, viu as possibilidades de unir duas lendas vivas e tentou vender o roteiro a Jack Warner, dono do estúdio com o mesmo nome, e famosíssimo por sua truculência. Warner respondeu que não daria um níquel furado por aquelas “duas velhotas gastas”. Aldrich não teve outra alternativa a não ser financiar o projeto de seu próprio bolso, e depois vender os direitos de distribuição para a Warner. “Baby Jane” conseguiu ficar entre as maiores bilheterias do ano, além de render cinco indicações ao Oscar.
– Rivais durante décadas, Bette e Joan nutriam entre si um ódio sem limite. Os bastidores da filmagem de “Baby Jane” renderam muitas histórias, as más línguas narram como todos os dias, durante as filmagens, cada uma ligava para o diretor e falava horrores da outra.
– Bette Davis não admitia o modo pelo qual Joan teria se tornado uma estrela de Hollywood. Segundo ela, “Joan Crawford teria dormido com todos astros da MGM, exceto a Lassie”.
– Como provocação a Joan Crawford, que era viúva do dono da Pepsi e sempre fazia merchandising do refrigerante, Bette Davis solicitou que uma máquina de Coca Cola fosse instalada no set de filmagens.
– Há uma cena em que Baby Jane espanca a irmã sem piedade, inclusive chutando-lhe a cabeça. Tudo estava programado para que Joan ficasse deitada, enquanto Bette fingia os golpes, mas Joan desistiu no último minuto. Tinha medo de que Bette realmente batesse nela. Então providenciaram um boneco. Bette chutava tão forte que alguns membros da equipe temeram que ela quebraria o pé. Joan olhou tudo de longe, fascinada. Joan vingou-se pouco tempo depois. Em uma cena sem cortes, Bette tem que carregar a irmã desmaiada até uma escada. Joan fez o possível para tornar-se ainda mais pesada: parece que até escondeu pesos nas roupas. E, no meio do caminho, tossiu e abriu os olhos, para que tivessem de rodar tudo de novo.
– Bette Davis foi indicada ao Oscar de Melhor Atriz por sua performance nesse filme, sendo essa sua décima indicação. Se vencesse seria a atriz que mais ganhou na categoria. Segundo o livro “Bette & Joan – The Divine Feud” de Shaun Considine, Davis e Joan Crawford se detestavam de longa data e Joan, que havia sido ignorada nas indicações ao Oscar, enciumada, fez campanha contra a vitória de Davis. Joan, inclusive disse a Anne Bancroft que se Bancroft vencesse ela ficaria feliz de representá-la recebendo o prêmio em seu nome, já que esta estaria ausente na cerimônia. De acordo com o livro – e isso pode ou não ser 100% real, mas é uma boa anedota – na noite do Oscar, Davis estava em pé nos bastidores do palco aguardando o nome da vencedora. Quando foi anunciado que Bancroft havia ganho por O Milagre de Anne Sullivan (1962), Davis sentiu uma mão gelada em seu ombro enquanto Crawford passava por ela dizendo “Com licença, eu tenho um Oscar para receber.” E assim o rosto deslumbrante de Joan apareceu estampado em todas as revistas e jornais do dia seguinte. E Bette deixou de receber seu terceiro Oscar.
– O astro do rock, Alice Cooper, disse que se inspirou para fazer a maquiagem que usava nos shows dos anos 70, na de Bette Davis quando ela interpretara Baby Jane.
– Refilmado para a TV em 1991 (com Lynn Redgrave como Baby Jane Hudson e Vanessa Redgrave como Blanche Hudson), tendo também recebido o título “O Que Terá Acontecido a Baby Jane?”
– Em 2016 “O Que Terá Acontecido a Baby Jane?” ganha sua primeira montagem mundial para o teatro. Feita no Brasil, a peça trouxe as veteranas atrizes Eva Wilma como Baby Jane e Nicete Bruno como Blanche.
– Em 2017, estreia no canal FX a série em oito episódios “FEUD” com Susan Sarandon interpretando Bette Davis e Jessica Lange como Joan Crawford. Criada por Ryan Murphy, em sua primeira temporada a série faz uma dramatização da rivalidade de Bette Davis e Joan Crawford, retratando especialmente os eventos acontecidos durante a produção de “O Que Terá Acontecido a Baby Jane?”.

5 comentários para O QUE TERÁ ACONTECIDO A BABY JANE? (1080p/Dual Áudio) – 1962

  • dantweet  DISSE:

    Excelente filme. Excelente lançamento.
    Esse eu tenho em bluray.
    Filme base para a série Feud.
    Recomendo!

  • Lusik  DISSE:

    Esse filme é muito bom, principalmente porque tem
    Bette Davis! Tambem gostei das informações sobre o filme ! valeu!

  • Roberto Alvess  DISSE:

    Julian e Chuni obrigado pelo post – baixado para ver porque sei que este filme é superespetacular – obrigado e valeuuuuuuu

  • farra4ever  DISSE:

    Obrigado.

  • Mopho Digital  DISSE:

    Valeu pelo post Julian! Filme bem cult com a grande Bette Davis, acho que nunca tinha visto com essa qualidade rs. Muito obrigado!

PARTICIPE DA DISCUSSÃO, MAS ANTES DE COMENTAR CLIQUE AQUI E LEIA NOSSAS REGRAS DE COMENTÁRIOS. Saiba que todos os comentários são moderados, nós nos reservamos o direto de publicá-los ou não. É proibido divulgar endereço de sites, blogs, fóruns que não sejam de parceiros ou de colaboradores do Tela de Cinema. Nós não permitimos a publicação de links de arquivos nos comentários, para colaborar acesse o menu do blog e procure pela opção COLABORE CONOSCO, ou clique aqui. Nós não recomendamos a divulgação de emails nos comentários, faça isso por sua conta e próprio risco.