O CORVO (Dual Áudio) – 1994

THE CROW – 1994
AÇÃO – FANTASIA
DIREÇÃO: Alex Proyas
ROTEIRO: James O’Barr, David J. Schow
IMDb: 7,4
http://www.imdb.com/title/tt0109506/

RMZ – DUAL ÁUDIO – DUBLAGEM CLÁSSICA – MARSHMALLOW + CONTEÚDOS EXTRAS

Postado por Don Costa

Formato: MKV
Qualidade: BRRip 720p (1280 x 688, AVC, 1,85:1, 25fps, 4905 kbps)
Tamanho: 4,67 GB
Duração: 97 min.
Legenda: Português (Selecionável)
Áudio 01: Português – RMZ – Marshmallow (32,0 KHZ, AC3, 16Bits, 2canais, 448 kbps)
Áudio 02: Inglês (48,0 KHZ, DTS, 16 Bits, 6 canais, 1509 kbps)
Servidor: Mega (Dividido em 20 partes)
Créditos Da Dublagem: O-Redimido e Leppard
Uploader e Remasterizador: Don Costa

ATENÇÃO: Para baixar pelo 4Shared é necessário se cadastrar.
Clique aqui e aprenda a se cadastrar no 4Shared.

Amostra

Amostra de 45 seg. para verificação de dublagem: VISUALIZAR

 

Links para os conteúdos extras

Link para o poema ” The Raven” ( O Corvo) de Edgar Allan Poe, com traduções de Fernando Pessoa e de Machado de Assis (em PDF): DOWNLOAD

Link para a Graphic Novel “O Corvo” de James O’Barr, em português (qualidade de imagem razoável) – Créditos para opiodotrivial.blogspot (em PDF): DOWNLOAD

Link para as trilhas sonoras do filme, Soundtrack e Score, (em MP3): DOWNLOAD

 

Links para o filme

Parte 01: O CORVO
Parte 02: O CORVO
Parte 03: O CORVO
Parte 04: O CORVO
Parte 05: O CORVO
Parte 06: O CORVO
Parte 07: O CORVO
Parte 08: O CORVO
Parte 09: O CORVO
Parte 10: O CORVO
Parte 11: O CORVO
Parte 12: O CORVO
Parte 13: O CORVO
Parte 14: O CORVO
Parte 15: O CORVO
Parte 16: O CORVO
Parte 17: O CORVO
Parte 18: O CORVO
Parte 19: O CORVO
Parte 20: O CORVO

 

Senha para todos os links: teladecinema.net

 

O roqueiro Eric Draven está morto… mas, estranhamente, ele ainda vive. Ele ainda não pode descansar em paz, não enquanto os vermes responsáveis por sua morte e também pelo assassinato de sua noiva permanecerem vivos. Assim, Draven retorna de seu túmulo para submeter seus matadores a uma implacável vingança. E ele não está sozinho. Um amedrontador corvo do outro mundo guia Draven em sua jornada. Brando Lee interpreta Draven neste conto sobrenatural de vingança baseado na série em quadrinhos criada por James O’Barr. Alex Proyas (Eu, Robô) dirige o filme, combinando os elementos de suspense da vendetta de Draven com um incrível visual neogótico, diferente de tudo já visto nas telas. Inimigo após inimigo, batalha após batalha, Draven está perto de completar seu triste propósito. Ele vive. Eles morrem. Mas há um segredo cobre seus poderes. E se os seus rivais o descobrirem talvez não haja mais nada na Terra capaz de salvá-lo.

O Corvo é uma adaptação cinematográfica escrita por David J. Schow e John Shirley, a partir de uma graphic novel de James O’Barr. Essa graphic novel começou a ser publicada pela Caliber Comics em 1989, tornando-se um grande sucesso underground. A série foi criada no momento em que O’Barr lidava com a morte de sua namorada, que aconteceu por conta de um motorista embriagado.

O escritor criou o personagem de O Corvo como uma resposta aos seus sentimentos pela perda da namorada . Ele se inspirou em diversas fontes como Robert Smith, Lewis Carroll, Edgar Allan Poe entre outros.

Em uma entrevista, James O’Barr disse: “Após alguém muito próxima de mim ser morta por um motorista bêbado, eu ingressei na Marinha. Eu apenas queria parar de pensar e ter alguma estrutura em minha vida. Mas eu ainda estava tão cheio de ódio e frustração que tinha que acabar com isso antes que me destruísse. Um dia eu apenas comecei a desenhar “O Corvo”; fluiu naturalmente. Meu personagem, Eric, retorna da tumba porque algumas coisas simplesmente não podem ser perdoadas; e eu acredito que poderia haver um amor tão forte que transcenderia a morte, que a recusaria, e esta alma não descansaria até endireitar as coisas”.

– O personagem Eric Draven foi oferecido aos atores River Phoenix e Christian Slater antes da contratação de Brandon Lee para o papel.
– A personagem Shelly chegou a ser oferecida à atriz Cameron Diaz, que a recusou por não ter gostado do roteiro. –
– O diretor Alex Proyas queria que o cantor Iggy Pop fizesse parte do elenco de O Corvo e tinha até criado um personagem apenas para ele. Entretanto, problemas de agenda o impediram, mas ele apareceu na sequência de 1996.
– O poema que Eric Draven recita quando entra na loja de Gideon é “The Raven”, de Edgar Allan Poe.
– O orçamento foi de US$ 6 milhões e o filme arrecadou US$ 94 milhões nas bilheterias de todo o planeta.
– Durante as filmagens, um carpinteiro foi eletrocutado, um operário enfiou um parafuso na palma da própria mão, um caminhão da produção se incendiou, e uma tempestade violenta acabou com um cenário.
– O filme teve mais três continuações: O Corvo: A Cidade dos Anjos (1996), O Corvo: A Salvação (2000) e O Corvo: Vingança Maldita (2005).
– O sucesso do filme foi tanto que inspirou até uma série de tv. “The Crow: Stairway to Heaven”, foi um seriado canadense, criado por Bryce Zabel, e estrelado por Mark Dacascos em 1998.

A realização deste filme foi marcada pela morte de Brandon Lee, filho do astro Bruce Lee. Uma das cenas rodadas para o filme requeria que uma arma fosse carregada, engatilhada e apontada para a câmera. Mas, por causa da curta distância do take, a munição carregada era verdadeira, mas sem pólvora. Após a realização desta cena, o assistente do armeiro (não o armeiro, que já havia deixado o set) limpou a arma para retirar as cápsulas, derrubando um dos projéteis no cano. A cena seguinte a ser filmada envolvendo aquela arma era o estupro de Shelly, sendo que a arma foi carregada com festim (que normalmente tem duas ou três vezes mais pólvora do que um projétil normal, para fazer um barulho alto). Lee entrou no set carregando uma sacola de supermercado contendo um saco de sangue explosivo. No roteiro constava que Funboy deveria atirar em Eric Draven quando ele entrasse na sala, estourando o saco de sangue. O projétil que estava preso no cano foi disparado em Lee através da sacola que ele carregava, matando-o. Sua morte foi causada por hemorragia interna, pois a bala atravessou seus órgãos e partiu sua coluna vertebral. O ator foi imediatamente socorrido e, mesmo com a tentativa desesperada de uma cirurgia de seis horas, não resistiu. As filmagens foram interrompidas, perto da conclusão, devido ao acidente. Apenas após um acordo com a família do ator, o filme foi concluído, usando dublês e montagens, e lançado.

Oficialmente, os negativos com a filmagem de sua morte foram destruídos sem nunca terem sido revelados. Mas há quem sustente, extraoficialmente, que a cena da morte de Brandon Lee foi incluída na edição final do filme, mas não foi revelado ao grande público qual era essa cena na época do lançamento, o que gerou inúmeras especulações a respeito. Apenas vários anos após o filme ter entrado no circuito comercial, o ator Michael Massee, que interpretou Funboy, revelou em uma entrevista que fora ele que, sem saber, disparara a bala que encerrou a vida de Brandon, na cena em que Eric e Funboy se confrontam.

Brandom Lee Morreu aos 28 anos, no dia 31 de Março de 1993. Seu casamento, com sua noiva Elisa Hutton, estava marcado para o dia 17 de Abril daquele ano. Apenas 3 semanas depois.

Brandon Lee … Eric Draven
Rochelle Davis … Sarah
Ernie Hudson … Sergeant Albrecht
Michael Wincott … Top Dollar
Bai Ling … Myca
Sofia Shinas … Shelly Webster
Anna Levine … Darla (as Anna Thomson)
David Patrick Kelly … T-Bird
Angel David … Skank
Laurence Mason … Tin Tin
Michael Massee … Funboy
Tony Todd … Grange
Jon Polito … Gideon
Bill Raymond … Mickey
Marco Rodríguez … Torres

# país: EUA
# duração original: 102 min
# estúdio: Crowvision Inc. Edward R. Pressman Film. Entertainment Mesia Investment Corporation, Jeff Most Productions, Miramax Films
# distribuidora: Miramax Films

 

31 comentários para O CORVO (Dual Áudio) – 1994

  • MARCOS F.  DISSE:

    OPAAA!!!…BLZA DE POSTAGEM !…PARABÉNS E OBRIGADÃO PELO PRESENTE MARUJO IRMÃO DON!

    GRANDE ABRAÇO E ÓTIMO FIM DE SEMANA!

    • Don Costa  DISSE:

      Olá Marcos.
      Eu é que agradeço. Que beleza de trabalho vocês fizeram na editoração desta postagem. Para pessoas como eu, que enxergam tão bem quanto uma toupeira vesga sofrendo de astigmatismo, o tamanho maior das letras e dos screens, assim como o padrão de cores, ajuda bastante.
      Geralmente eu respondo as mensagens no mesmo dia, mas, no dia seguinte ao envio desta postagem, a toupeira aqui resolveu derrubar um muro próximo de casa. Só que, ao invés de utilizar uma marreta, resolvi tentar fazer isso com o carro mesmo.
      Não deu muito certo e acabei ficando uns dias no hospital.
      Por isso fiquei um pouco afastado mas já estou novamente na ativa para enviar mais postagens. A próxima já vai amanhã.
      Ah, sim. Antes que eu me esqueça. Oficialmente foi o muro que atravessou a pista fora da faixa. Eu tinha a preferência.
      Abraços.

  • jorge santiago  DISSE:

    cara vc salvou meu final de semana OBRIGADOOOOOOOO

    • Don Costa  DISSE:

      Oi jorge. Que bom que gostou.
      É o tipo de filme para se ver e rever várias vezes.
      Então. Bons finais de semana.
      Abraço.

  • Camilapic  DISSE:

    Esse filme me surpreendeu positivamente! Boa obra para remasterizar!

    • Don Costa  DISSE:

      Oi Camila.
      Quando o peguei na locadora anos atrás, também não me pareceu um grande filme. A surpresa foi a fuga do “lugar comum” dos filmes de mortos-vivos. Afinal, o que Eric era? Um zumbi? Um espírito?
      Isso não importa. O importante são as ações e motivações do personagem. Um filme fantasia que trata de morte e vingança sem usar o terror como eixo central. É quase um drama, muito bem conduzido, deixando uma forte névoa sobre o limite entre vingança e justiça. Torcemos pelo personagem o tempo todo.
      É o tipo de filme que deveria sair em Bluray legendado E DUBLADO.
      Depois as distribuidoras reclamam de sites como o Tela.
      Abraços.

  • Sr. Macintosh  DISSE:

    Qualidade incrível! Assisti este filme na Globo há muito tempo. Valeu Don Costa!

    • Don Costa  DISSE:

      Sr. Macintosh.
      Grandes filmes merecem ser apreciados com a melhor qualidade disponível.
      E é um prazer para mim compartilhar esses arquivos com vocês, apreciadores da 7º arte.
      Grande abraço

  • João Victor  DISSE:

    Caraaaaaa, sensacional este post. E um texto esclarecedor sobre todo o universo que se criou com a morte prematura de Brandon Lee. Obrigado Don Costa, nós marujos do tela só podemos lhe agradecer.

    • Don Costa  DISSE:

      João, essa história sobre os eventos que resultaram na morte de Brandon Lee é muito maior do que você pode imaginar. Tem todo tipo de teorias a respeito e cada site de fãs do ator, sites de cinema e sites de celebridades, diz uma coisa diferente. Eu busquei a média das informações mais próximas do que seria a verdade, já que constam em várias fontes diferentes, inclusive internacionais. Está mais do que claro de que foi um acidente. Porém, quais foram as reais circunstancias e em quais cenas isso aconteceu, será sempre terreno fértil para especulações.
      Por enquanto, fiquemos com a palavra das fontes oficiais.
      Mas que esta tragédia trouxe uma aura ainda mais sombria ao filme, não há dúvida.
      Abraços.

  • Mateus  DISSE:

    Só tenho à agradecer, adoro este site, baixo muitos filmes aqui,obrigado Don Costa pela postagem, esse é um de meus filmes favoritos e eu estava louco para conseguir ele com essa qualidade !!

    • Don Costa  DISSE:

      Mateus. Postar filmes é a forma que eu tenho de agradecer pelos arquivos sensacionais que eu encontro aqui no Tela.
      Pego muitos filmes todo mês. Nada mais justo do que pagar na mesma moeda.
      E eu é que agradeço pelo incentivo de vocês.
      Abraços.

  • Hiure  DISSE:

    Sensacional cara. Matou a pau com essa postagem
    Parabens grande abraço

    • Don Costa  DISSE:

      Hiure. Isso só é possível devido ao trabalho contínuo de todos os moderadores do site, que o mantém ativo e atualizado 24 horas por dia, além da visita constante de vocês que sempre apreciam o nosso trabalho. Sem vocês, não haveria motivos para as postagens.
      Portanto, eu é que agradeço pela mensagem.
      Um abraço.

  • Cláudio Cardoso  DISSE:

    Sou um grande fã desse filme, e é muito bom ver-lo com alta qualidade.obrigado Don Costa pelo grande trabalho.

    • Don Costa  DISSE:

      Oi Cláudo.
      Faz uma grande diferença assistir à esse filme em alta definição. Com a iluminação criando um clima noturno e as externas filmadas majoritariamente à noite, muitos detalhes das cenas desaparecem em resoluções mais baixas.
      Com o Bluray podemos apreciá-lo em todos os seus detalhes, deixando claro o talento dos seus realizadores.
      Abraços.

  • Caio Cesar Carvalho  DISSE:

    A parte 5 esta dando erro poderiam arrumar, desde já agradeço.

    • MARCOS F.  DISSE:

      CAIO CESAR CARVALHO – QUE TIPO DE ERRO? – TESTEI AQUI O LINK E ESTA OK(ATIVO) – BAIXEI ESTA PARTE 100%
      .
      OBRIGADO POR AVISAR E ESPERO CONSIGAS!

  • Caio Cesar Carvalho  DISSE:

    Agora consegui baixar estranho vocês arrumaram? Valeu

    • Edfilmes  DISSE:

      Não Caio, o mega que as vezes dá esses bugs mesmo, tem horas que acessamos os links normalmente e em outras horas não.

  • Edfilmes  DISSE:

    Post completo, tanto no conteúdo como também nas informações, coisa do Don Costa rsrsrsrs… Valeu marujo irmão!

    • Don Costa  DISSE:

      Ed, está cada vez melhor o layout das páginas destas postagens. Vou ter de tomar cuidado para que os filmes que envio estejam à altura da editoração das páginas.
      Grande abraço.

      • Edfilmes  DISSE:

        Nada de especial amigo Don, só umas letrinhas coloridas rsrsrsrsrs… no mais um grande abraço marujo irmão!

  • Scarface  DISSE:

    Vi e revi muitas vezes esse filmaço na TV e em VHS, mas com essa qualidade vai ser a primeira vez.

    Não sei como, mas você consegue se superar a cada postagem, Don. Muito obrigado!

    • Don Costa  DISSE:

      Amigo Scarface. É incrível o avanço tecnológico na área de entretenimento.
      Lembro-me da satisfação que eu tinha do meu sensacional sistema de som nas décadas de 70/80. Toca discos Philips, em que as agulhas eram todas com ponta de diamante arredondadas, nunca cônicas e sempre descartáveis – afinal, as estrelas dali eram os discos e estes deveriam ser preservados ao máximo. Oito caixas acústicas espalhadas pelo quarto (nunca entendi como aquilo funcionava, mas o som poderia ser stéreo 4 X 4 ou poderia “passear” pelas caixas alternadamente – coisas de irmão mais velho louco por eletrônica), formando o primeiro surround 8.0 da história tendo apenas 2 canais. Amplificador Gradiente com absurdos 70 Watts de potência (quase o mesmo que um Ipod hoje em dia). O equalizador, eu não lembro a marca, mas tinham mais botões ali do que em todos os outros aparelhos da casa juntos. O sistema foi carinhosamente apelidado por meu pai de “Aldravas das Portas do Inferno”, pois quando eu o ligava, o seu sossego acabava. Por isso evitava ligá-lo quando meu pai estava a menos de 500 metros da casa. Ele não apreciava muito os meus discos, que iam de Led Zeppelin, à Black Sabbath, passando por Deep Purple, Uriah Heep, Rainbow, Def Leppard e Queen. Com o Kiss ele implicava até com as capas. Nunca deixei ele ver as capas do Iron Maiden. Provavelmente eu seria excomungado.
      Ouvir os discos era um ritual. Pegue o disco, retire a proteção plástica da capa (geralmente dupla), retire o vinil de dentro da capa, retire a proteção plástica do vinil, passe o espanados para tirar o pó, espalhe um pouco de talco (especial), repasse o espanador, passe, levemente, a almofada de limpeza (a Gradiente vendia um kit com ela), coloque o disco no toca disco, coloque todos os botões do amplificador e equalizador nos locais exatos já pré-testados (não existia essa coisa de controle remoto), ponha a agulha SUAVEMENTE no início da faixa 1 do lado A, deite na cama e aproveite o visual da capa ou as letras do encarte para acompanhar as músicas. Viagem Pura. Tão pura quanto os sons que saíam daquelas caixas. Lá pro anos 90 surgiu o CD. Meus amigos diziam que nunca tinham ouvido um som tão bom quanto os dos disquinhos prateados. Quando comprei meu primeiro CD Player, um trambolho da Philips que era mais pesado do que o meu toca discos antigo, fui tirar a prova dos nove. Comprei logo o “The Dark Side Of The Moon” do Pink Floyd. De jeito nenhum eu teria deixado passar despercebido algum dos sons introduzidos naquelas músicas em meu “fantástico” sistema de som, como meus amigos haviam me avisado. Ainda mais em um disco que eu ouvia constantemente desde que o ganhei em 1976.
      Quando toquei o CD veio a revelação. Até aquele momento eu era surdo e não sabia. Os agudos eram ainda mais agudos, sem distorção. Os graves eram ainda mais graves, sem saturação. Apenas o som da musica saía nas caixas e nada mais.Nenhum estalo, nenhum chiado, nada. E a obra que eu pensava conhecer há 20 anos era outra. Sons que eu nem sabia que existiam no disco estavam lá. Sempre estiveram.Pela primeira vez eu conseguia contemplar, na íntegra, o esplêndido trabalho do Pink Floyd e de Alan Parsons (engenheiro de som e produtor).
      A introdução do laser e da informática mudou completamente o conceito de entretenimento eletrônico. Não havia mais o transporte do conteúdo em si (imagens e sons) na forma de impulsos elétricos através dos cabos e aparelhos. O que eles transportavam agora eram “informações” do conteúdo, na forma de dados, utilizando estes impulsos. Dessa forma não havia perda e nenhuma informação indesejada (estalos e chuviscos) era transportada. Além disso possuíam outra vantagem. Quanto maior a quantidade de informação transportada, maior a qualidade do arquivo. Uma vez eliminada a poluição causada por dados indesejados, tudo passou a ser um questão de capacidade de transporte e leitura dos mesmos para definir a qualidade, teoricamente, sem limites.
      Isso chegou ao vídeo e, a mesma impressão que eu tive com a redescoberta da minha audição, aconteceu com os filmes.
      Cenas com muitos efeitos especiais, muito movimento ou gravadas à noite ficaram muito melhores em alta definição. Garanto pra você que, por mais que você tenha assistido à esse filme, vê-lo em alta definição será uma experiência nova. Enxergará coisas que nunca tinha percebido antes, mas que sempre estiveram lá.
      Por isso que agora eu vou atrás destes clássicos em alta definição, estejam onde estiverem. Os filmes, por si só, já são excelentes. Em alta definição, então, ficam extraordinários. E nós ficamos duplamente satisfeitos.
      Grato pelas palavras, amigo. E vou manter o nível nas próximas postagens, sempre que possível.
      Infelizmente muitos filmes ainda não foram lançados em alta definição em nenhum lugar do mundo. Para estes, só nos resta aguardar.
      Um grande abraço e um bom fim de semana.

  • Scarface  DISSE:

    Hahaha… Sua descrição do “ritual do vinil” é impagável e totalmente acurada. No final das contas, só o que resta é a pura nostalgia mesmo.

    Lembro que olhava com desconfiança essa nova tecnologia dos “azuizinhos”. Achava que ao contrário da transferência do VHS para DVD, pouca coisa podia ser melhorada. Tudo mudou quando por acaso assisti a um trecho de Alien – O 8º Passageiro em HD na casa de uma amiga. E, de repente, um filme que eu cresci vendo parecia totalmente novo. Desde então, venho sistematicamente fazendo o “upgrade” da minha coleção.

    Mais uma vez, muito obrigado! Abração!

  • Mara  DISSE:

    Don costa, muito obrigada pelo filme, a qualidade está excelente.Assisti eu e o meu sobrinho, que via pela primeira vez, e ele adorou!

    • Don Costa  DISSE:

      Obrigado pela mensagem, Mara.
      E é muito bom colaborar para que os mais novos tenham aceso à estas obras de arte do passado.
      É uma pena que as produtoras e distribuidoras não lancem blurays desses clássicos dublados no Brasil e, quando lançam, o fazem com uma redublagem. Problemas contratuais à parte, que acabam impondo uma redublagem para estes lançamentos, os filmes lançados assim perdem muito de sua aura.
      Essa é a importância do nosso trabalho aqui no Tela de Cinema. O resgate e a disponibilização de grandes arquivos do cinema e da tv.
      Abraços para você e para seu sobrinho.

  • Claus  DISSE:

    Grande Don Costa, a cada postagem sua, fico de queixo caído! Hehehe… Não tem como assistir esse filme sem pensar no lamentável acidente que acabou com a vida do astro Brandon Lee, que morreu muito cedo. Esse filme com certeza seria um “boom” em sua carreira, assim como foi para Heath Ledger em sua interpretação do Coringa de “Batman – O Cavaleiro das Trevas”. Mas aqui fica a dor, em pensar que a vida desse jovem tenha sido tirada acidentalmente..Enfim, polêmicas à parte, com certeza é um filme incrível, e bem como você disse, depois da RMZ, ficou melhor ainda de se ver, nos possibilitando prestar atenção aos detalhes dos efeitos especiais..E muito bem colocado na sua resposta à colega Mara, que só aqui encontramos os filmes que amamos com a dublagem original, aquela que aprendemos a amá-los! Não é à toa que sou viciado no Tela, aqui encontrei e continuo encontrando os filmes que marcaram minha vida! E sobre isto, não tenho palavras para agradecer.. De qualquer forma, muito obrigado por nos presentear com tantas obras primas!

    Abraços

  • cidadaok  DISSE:

    Obrigado, Don Costa por essa magnifica postagem.
    Li com grande prazer seu ritual das audições do bom e velho Vinil e confesso que me emocionei.Ouso dizer que nem precisava do filme,(brincadeira!) pois só a leitura já foi uma bela viagem.Agradeço muito por seu trabalho e o compartilhamento do filme.
    Aliás, esse filme saiu há pouco com nova remasterização em 4K e está melhor que nunca.
    Quem sabe talvez algum dia você consiga usar esse novo master, mas caso não, esse aqui já está excelente.Grande abraço e mais uma vez, obrigado.

    • Don Costa  DISSE:

      Pois é, Cidadaok!

      Bons tempos em que algumas das nossas maiores preocupações eram, apenas, guardar os LPs em pé (com uma leve inclinação) para que não empenassem e deixar a tampa de acrílico do toca-discos permanentemente fechada para que não acumulasse pó no prato giratório.

      Hoje, ouvir músicas apertando um simples botão num aparelho do tamanho de um controle remoto, perdeu boa parte da graça e toda a magia. Nem capas nós temos mais.

      Essa nova geração não sabe o que perdeu.

      Amigo, eu estou re-remasterizando todas as minhas postagens antigas, atualizando-as para áudios em 5.1 e esta aqui também está na fila. Pode ter a certeza de que haverá um upgrade na qualidade deste arquivo aqui, tanto de áudio, quanto de vídeo. Só não posso te dar uma previsão de quando isso vai acontecer, pois uma remasterização desta leva semanas, e até meses, e eu tenho, literalmente, dezenas de outras para fazer.

      Mas fique de olho na página inicial do Tela. Quando estiver pronta ela vai aparecer lá.

      Muito obrigado pelo comentário.

      Forte abraço pra você.

PARTICIPE DA DISCUSSÃO, MAS ANTES DE COMENTAR CLIQUE AQUI E LEIA NOSSAS REGRAS DE COMENTÁRIOS. Saiba que todos os comentários são moderados, nós nos reservamos o direto de publicá-los ou não. É proibido divulgar endereço de sites, blogs, fóruns que não sejam de parceiros ou de colaboradores do Tela de Cinema. Nós não permitimos a publicação de links de arquivos nos comentários, para colaborar acesse o menu do blog e procure pela opção COLABORE CONOSCO, ou clique aqui. Nós não recomendamos a divulgação de emails nos comentários, faça isso por sua conta e próprio risco.