O CORSÁRIO SEM PÁTRIA / LAFITTE, O CORSÁRIO (1080p/Dual Áudio) – 1958

“The Buccaneer” (EUA) – 1958
AVENTURA – DRAMA – HISTÓRICO
DIREÇÃO: Anthony Quinn
IMDb: 6,5 – http://www.imdb.com/title/tt0051436/

Image

BRRip – 1080p – Full HD – Dual Áudio – RMZ + Versão Reduzida + Trilha Sonora

Links atualizados

Postado por Don Costa & Johnahex

Image

VERSÃO MAIOR:

Formato: MKV

Qualidade:

Vídeo: BR-rip – 1080p (1920*1080) 16:9, AVC, 23976 fps, 8299 Kbps.

Áudio:
Português – 48,0 KHz, A_AC3, 16 bits, 2 canais, 384 kbps.
Inglês – 48,0 KHz, DTS, 24 bits, 1 canal, 768 kbps.

Tamanho: 7,97 GB

Duração: 120 min.

Legendas:
Português automático (na apresentação inicial do produtor);
Português completo;
Inglês – selecionáveis

Áudio:
Português
Inglês.

Servidor: Mega (dividido em 42 partes)

VERSÃO REDUZIDA:

Formato: MKV

Qualidade:

Vídeo: BR-rip – 1080p (1920*1080) 16:9, AVC, 23976 fps, 1500 Kbps.

Áudio:
Português – 48,0 KHz, A_AC3, 16 bits, 2 canais, 384 kbps.
Inglês – 48,0 KHz, DTS, 24 bits, 1 canal, 768 kbps.

Tamanho: 2,23 GB

Duração: 120 min.

Legendas:
Português automático (na apresentação inicial do produtor);
Português completo;
Inglês – selecionáveis

Áudio:
Português
Inglês.

Servidor: Pcloud (dividido em 12 partes)

Créditos do áudio dublado: Johnahex

Créditos da remasterização: Don Costa

Image

ARQUIVO MAIOR (MEGA):

PASTA COM OS ARQUIVOS: Download

ARQUIVO MENOR – VERSÃO REDUZIDA (Pcloud):

PASTA COM OS ARQUIVOS: Download

TRILHA SONORA NO FORMATO .flac (412 MB):

PARTE 1: Download

PARTE 2: Download

PARTE 3: Download

SENHA PARA TUDO:
Image

AMOSTRA DE DUBLAGEM:

Image

1812, durante a luta contra a invasão inglesa, o General americano Andrew Jackson conta com um punhado de caçadores e homens destreinados para defender a cidade de New Orleans, quando é informado que a frota britânica está chegando, com 60 navios e milhares de homens para tomarem a cidade. Diante disso, uma ilha perto da cidade se torna estrategicamente importante para os dois exércitos, porém ela é habitada por Jean Lafitte, o mais impiedoso e temido corsário dos mares. Embora nunca tenha atacado um navio americano, o governador da cidade o detesta, pois Lafitte vende suas mercadorias sem pagar impostos e por isso, é adorado pelos cidadãos. Mas, quando o grande combate se aproxima, Lafitte se vê preso entre os dois exércitos. Seu coração pertence aos Estados Unidos, mas seus homens querem lutar ao lado dos ingleses.

IMAGENS DO FILME:

Image

Yul Brynner … Jean Lafitte
Claire Bloom … Bonnie Brown
Charles Boyer … Dominique You
Inger Stevens … Annette Claiborne
Henry Hull … Ezra Peavey
E.G. Marshall … Gov. William Claiborne
Charlton Heston … Gen. Andrew Jackson
Lorne Greene … Mercier
Ted de Corsia … Capt. Rumbo

Image

INFORMAÇÕES DO ARQUIVO:

Foram gerados dois arquivos para esta postagem. Um maior com 7,97 Gb e outro menor com 2,23 Gb. Ambos têm dois áudios e a única diferença entre eles é a bitragem de vídeo. As qualidades das imagens são muito parecidas, porém as diferenças ficam evidentes quando assistidas lado a lado em uma tv de alta definição. Para quem tem equipamentos de ponta, recomendo que baixe o arquivo maior. O filme é um Full HD (1080p) inclusive na introdução de aproximadamente 2 minutos, apesar do formato de tela diferente, onde o produtor fala um pouco sobre o filme. Este trecho também não está dublado e as legendas entrarão automaticamente. Também envio a trilha sonora do filme. Essa trilha sonora está no formato “flac”, que possui uma compressão menor e um tamanho bem maior que a do formato “mp3”. Em compensação, tem uma qualidade bem maior, pois não sofre perdas na compressão. Esse formato abre normalmente com players como o VLC. Essa trilha sonora é a edição limitada (1000 cds), remasterizada e relançada em 2014 com várias faixas bônus.

Image

Trilha sonora remasterizada e com faixas bônus.

 

Nota:

O filme possui uma peculiaridade. Apesar do título original ser “The Buccaneer” (O Bucaneiro), o protagonista se apresenta como “privateer” (corsário), embora o filme seja livremente baseado no romance de Lyle Saxon “Lafitte the Pirate” (Lafitte o Pirata). Os próprios títulos em português, que são três ao todo, colaboram para aumentar a confusão: “O Corsário Sem Pátria”, “Corsário Sem Pátria” e “Lafitte, O Corsário”. Mas não há nenhum erro neste caso. Jean Lafitte, assim como outros famosos piratas como Edward Teach (o Barba Negra) foi, realmente, as três coisas ao longo da vida.

Image

Bucaneiro, corsário e pirata. Os três termos são, corretamente,atribuídos à Jean Lafitte.

ImageEm um diálogo no início do filme, Lafitte é chamado de pirata pelo governador, ao qual retruca: “_Senhor, pirata não! Corsário!”

Aqui cabe uma explanação para esclarecer os termos:

Pirata: Um pirata é um criminoso que, de forma autônoma ou organizado em grupos, lança-se ao mar com o objetivo de promover saques e pilhagens à navios e à cidades para obter riquezas e poder. Eles navegavam nas rotas comerciais atacando estes navios, capturando tudo o que tivesse valor (desde metais e pedras preciosas à bens) e fazendo reféns para extorquir resgates. Normalmente esses reféns eram as pessoas mais importantes e ricas para que, assim, o valor do pedido de resgate pudesse ser mais elevado.

A época dourada da pirataria, ocorreu principalmente entre os séculos XVI e XVIII. O primeiro a usar o termo pirata para descrever aqueles que pilhavam os navios e cidades costeiras foi Homero, na Grécia antiga, na sua Odisseia. Os piratas ainda existem, mas, devido ao enorme aparelhamento naval das nações atualmente, eles ficaram restritos à poucas áreas costeiras, geralmente em países onde a administração pública vive um momento caótico, e praticam sequestros de turistas e roubos à pequenas embarcações.

ImageA pirataria não era uma atividade exclusivamente masculina.  A irlandesa Anne Bonny (1700 – 1782) era uma das mais violentas piratas de sua época.

ImageHoje a pirataria está restrita ao litoral de alguns países com administração caótica, como no caso dos sequestradores somalis (acima) em 2011.

Corsário: Um corso, ou corsário, era alguém que, por missão ou carta de corso (ou “de marca”) de um governo, era autorizado a pilhar navios de outra nação (guerra de corso), aproveitando o fato de as transações comerciais basearem-se, na época, na transferência material das riquezas, já que não existia um sistema bancário para isso. Os corsos eram usados como um meio fácil e barato para enfraquecer o inimigo ao perturbar as suas rotas marítimas. Com os corsos, os países podiam atacar os seus inimigos sem arcar os custos relacionados com a manutenção e construção naval.

Teoricamente, um pirata com uma carta de marca poderia ser considerado como corsário, reconhecido como tal pela lei internacional. Sempre que um navio corso fosse capturado, este tinha de ser levado a um Tribunal Almirantado onde tentava provar que era um verdadeiro corso. Contudo, era comum os corsos serem capturados e executados como piratas pelas nações inimigas. Grande parte das vezes os piratas, quando apanhados pela suposta vítima, tentavam usar uma carta de corso ilegal.

Frequentemente, no seu país de origem, os corsos eram considerados autênticos heróis, tal como Sir Francis Drake, que, graças aos fabulosos tesouros que arrecadou para a Inglaterra, foi tornado Cavaleiro pela rainha Isabel I.

Image

O corsário Sir Francis Drake (1540-1596) é considerado um herói nacional na Inglaterra, a ponto de ter selos comemorativos.

Bucaneiro: Esse termo já é um pouco menos específico. Bucaneiro é a forma como eram chamados os piratas franceses que aportaram na região da ilha de Hispaniola, atual Haiti, por volta de 1600. O nome vem do termo francês bucan, que designava a grelha com a qual defumavam carne. Esses piratas logo se apossaram da então colônia espanhola e criaram suas próprias regras, sem obedecer a ninguém – o que acabou atraindo gente de todo tipo para a região, incluindo ex-presidiários, escravos fugitivos e perseguidos da Inquisição Católica.

Os bucaneiros foram expulsos em 1620, quando a Espanha resolveu dar um basta no que já estava se transformando em uma verdadeira terra de ninguém. Os piratas franceses escolheram então a ilha de Tortuga como novo destino. Lá, continuaram a praticar a pirataria, tendo as embarcações espanholas como alvo predileto. Toda a região das Antilhas ficou famosa pela violência bucaneira.

Em meados do século XVII, a palavra bucaneiro aplicou-se, também, à maioria dos piratas e corsos que eram originários de bases no continente americano, que, durante os séculos XVI e XVII, pilhavam principalmente o comércio espanhol com as suas colônias americanas. Mais tarde os bucaneiros usaram a Jamaica para base das suas operações, e capturaram o Panamá em 1671. O termo bucaneiro também se aplica às embarcações utilizadas pelos piratas e corsários da região e da época. Eram, em geral, embarcações de pequeno porte, possuindo esse nome por serem um derivativo de “navio bucaneiro”. Em função disso, é muito comum encontrar em textos, canções e folclore produzidos nos séculos XVI, XVII e XVIII o termo bucaneiro referindo-se ao navio e não ao pirata.

Image

O inglês Edward Teach (1680-1718) foi um dos mais famosos bucaneiros. Sob a alcunha de Barba Negra, aterrorizou a região do caribe (mapa acima) e toda a costa leste americana por quatro anos até ser capturado e decapitado.

Em resumo: Pirata – qualquer criminoso naval que ataque embarcações e cidades costeiras (ainda existem); Corsário – Um pirata atuando a serviço de uma nação (extinto); Bucaneiro – Um pirata ou corsário cuja origem ou base seja no continente americano, principalmente na américa central (extinto).

Jean Lafitte foi um pirata que, em determinado momento da vida, esteve à serviço dos Estados Unidos (corsário) e teve como porto-base a ilha de Barataria em Lousiana – EUA (bucaneiro).

Jean Lafitte

Jean Lafitte (nascido por volta de 1776, morto em 1823) é lembrado hoje como um dos mais bem sucedidos piratas e corsários do início do século 19. Durante sua vida ele reuniu grande fama e muitas pessoas pensam nele como um herói (que lutou pela independência da economia dos Estados Unidos) ou como um famoso pirata. Operando nas águas do Golfo do México, ele conseguiu organizar uma frota pirata de contrabando com a finalidade de realizar o comércio livre e não tributado com a cidade de Nova Orleans. Devido à isso, Lafitte foi considerado como um grande herói pelas pessoas que viviam nessa área, e um criminoso pelas autoridades norte-americanas.

Muito pouco se sabe sobre sua juventude. Muitos relatórios históricos afirmam que ele nasceu entre 1770-1776 em lugares muito diferentes, de Bordeaux, na França, à territórios franceses de Saint-Domingue (localizadas no atual Tahiti).

Lafitte começou a atuar depois de 1804, quando Louisiana tornou-se parte de um território dos Estados Unidos, e depois que o governo começou a executar o famoso ato do embargo de 1807, que declarou que os navios comerciais norte-americanos não podiam visitar quaisquer portos estrangeiros sem autorização direta do presidente. Esta lei, uma retaliação política à ingleses e franceses que causou grandes prejuízos ao comércio americano, abriu o caminho para que os contrabandistas começassem a contrabandear mercadorias ilegais para os portos de Louisiana, e Lafitte conseguiu explorar essa situação para ganho próprio. Ele e seus irmãos conseguiram estabelecer um porto ilegal na ilha pouco povoada da Barataria, na baía de mesmo nome.

Com boa posição comercial, e boa distância da mais próxima base militar naval dos EUA, esta ilha se tornou um paraíso para contrabandistas e corsários do início do século 19. Em 1810, a chegada constante de mercadorias contrabandeadas e transferência constante de dinheiro e objetos de valor contribuiu para a ascensão do porto em Barataria. Muitas novas instalações foram erguidas, e Lafitte passava boa parte do seu tempo administrando a ilha, gerindo os negócios diários, cuidando do armamento corsário e processando a transferência de bens roubados.

Após o início da guerra anglo-americana, Lafitte foi convocado para ajudar na defesa de Nova Orleans contra as forças britânicas. Segundo alguns relatos, ele trouxe 3.000 homens à “Batalha de New Orleans”, mas outras fontes afirmam que ele levou muito menos soldados do que isso. Porém ele conseguiu fornecer ajuda crucial para o exército dos EUA, usando seus canhões de artilharia naval.

Nos anos subsequentes à guerra, Lafitte ainda representava uma grande ameaça para a economia dos EUA, e o governador de Louisiana, William CC Claiborne colocou um preço de US$ 500 pela cabeça de Jean Lafitte. Em resposta, Lafitte também colocou uma recompensa pela cabeça do Governador (relatórios dizem que ou era de US$ 1.500 ou US$ 5.000), mas ninguém conseguiu coletar essa recompensa.

Depois de 1817 Lafitte foi forçado a fugir de Barataria, estabelecendo uma nova base de operações em Galveston, Texas. Embora fosse expulso de lá cinco anos mais tarde, ele continuou com sua vida de pirataria até sua morte, em 1823, perto das águas de Honduras. Durante a luta com dois navios comerciais espanhóis, Lafitte veio a descobrir que eles eram, na verdade, dois navios corsários fortemente armados, à serviço da armada espanhola, que conseguiram infligir um ataque substancial contra as forças do pirata. Durante essa batalha, Lafitte foi ferido e morreu no dia seguinte, ao amanhecer de 05 de fevereiro. Ele foi sepultado no mar no Golfo em Honduras.

Não existe nenhuma imagem real confirmada de Lafitte. As duas imagens mais próximas de exibir sua verdadeira face são um desenho feito anos após sua morte, baseado nas descrições de pessoas que o conheceram, e uma pintura anônima do início do século 19, guardada na Biblioteca Rosenberg, em Galveston, Texas.

ImageUm retrato feito logo após sua morte (esquerda) e uma pintura anônima (direita) são o mais próximo que temos de uma visão real da face de Jean Lafitte.

Dados Históricos

Em 1814, após dois anos de guerra contínua, o major-general americano Andrew Jackson está tendo dificuldades para encontrar homens, armas, navios e suprimentos para defender Nova Orleans de uma iminente invasão britânica – que podem superam seus 1.500 soldados na proporção de 10 para 1 – quando ele encontra o pirata Jean Lafitte e seu irmão, Pierre, na esquina de uma rua de Nova Orleans no início de dezembro.

Desde agosto, quando pela primeira vez foi procurado pelos britânicos para juntar os seus esforços contra os Estados Unidos, Lafitte tenta obter uma oferta semelhante, inicialmente entre os políticos da Louisiana e, em seguida, com as autoridades federais dos Estados Unidos. Depois de anos contrabandeando em Nova Orleans produtos sem pagar tributos, mercadoria principalmente tomada de navios espanhóis capturados por Lafitte e seus companheiros corsários, o chamado “pirata” quer limpar seu nome, ajudar Jackson e os Estados Unidos e – talvez mais do que tudo – libertar cerca de 80 de seus homens da cadeia.

Eles foram capturados quando a Marinha dos EUA atacou seu esconderijo em Grand Terre Island na baía Barataria, a cerca de 40 km ao sudoeste de Nova Orleans, em setembro. Os piratas detidos incluíam Dominique Yu (ou You, ou ainda Youx), um capitão pirata que pode ser o irmão mais velho de Lafitte (historiadores discordam sobre o tema) e também pode ter sido um canhoneiro especialista do grande exército de Napoleão. Isso mostra o quanto se sabe pouco, com certeza, sobre Lafitte. Ele pode, inclusive, nunca ter sido um pirata (alguns poucos historiadores contestam os relatos e documentos da época), mas ele é, certamente, um contrabandista de produtos livres de taxas. E o novo estado da Louisiana (entrou para a federação em 1812), bem como o governo federal, está procurando uma forma de colocar Lafitte fora do negócio depois de recolher os impostos devidos à eles.

Quando foi abordado por Lafitte pela primeira vez, através de procuração por Edward Livingston, um proeminente membro da sociedade de Nova Orleans que também passou a ser secretário e conselheiro particular de Jackson, o general recusou-se a aceitar a ajuda de “bandidos desgraçados” (Jackson também os chamou de “bandidos infernais”). Mas o surpreendentemente gentil e articulado Lafitte (ele falava Inglês, espanhol, francês e italiano) levou sua oferta novamente, e desta vez pessoalmente, para Jackson em sua sede na Royal Street. Lafitte explicou que ele poderia fornecer pólvora, espoletas, mosquetes e canhões – que Jackson necessitava desesperadamente -, bem como grupos de artilheiros e canhoneiros experientes, tanto em batalhas marítimas, quanto terrestres. Jackson cedeu. Os piratas presos foram libertados e perdoados – se alistaram na força de defesa – e Jackson fez de Lafitte um membro de sua equipe pessoal.

Jackson fecha seu acordo com Lafitte bem na hora. Em 12 de dezembro, a frota de invasão britânica estava se aproximando do Lago Borgne (ver mapa abaixo) a apenas 30 milhas à leste de Nova Orleans.

Image

E é justamente este trecho da história que é relatada no filme.

Informações sobre o filme:

O filme contém fatos históricos, mas é livremente baseado no romance de Lyle Saxon, o que permitiu que fossem alterados alguns fatos considerados muito polêmicos para o público conservador da década de 1950. Por exemplo, Lafitte teve realmente um caso com uma senhora Claiborne, mas era a esposa do Governador – Suzette Claiborne, então com 18 anos – e não a sua filha que, na época, tinha somente dois anos. Um motivo a mais para o governador querer a cabeça do corsário.

Image

Um dos mais jovens congressistas da história americana, William CC Claiborne (1772/75 – 1817) tinha entre 39 e 42 anos na época dos eventos mostrados no filme.

Esse foi o último filme de Cecil B. DeMille. Ele estava gravemente doente, e teve que passar a direção do filme para seu genro, o ator Anthony Quinn. DeMille supervisionou a produção do filme e aparece no prólogo, mas estava insatisfeito com os esforços de Quinn como diretor, bem como o trabalho do velho amigo Henry Wilcoxon como produtor, e tentou mudar e melhorar o filme durante e após a produção. A edição final do filme foi feita por DeMille que morreu em janeiro de 1959, apenas um mês após o seu lançamento. A edição de Anthony Quinn chegou a ser mostrada em uma audição para poucas pessoas da produção. Depois disso jamais foi exibida novamente.

ImageInspecionando o cenário (no alto à esquerda), orientando os atores (no alto à direita), confabulando com o produtor (acima à esquerda) ou verificando o ângulo (acima à direita). Raras imagens de Anthony Quinn em seu primeiro e único filme como diretor.

ImageEsta é a última imagem de Cecil B. DeMille vivo. O produtor e diretor veio a falecer apenas um mês após o lançamento do filme.

Houve um “Dominic Yu” no bando de piratas de Lafitte, mas a pesquisa moderna sugere que “Yu” era, na verdade, um pseudônimo para Alexandre Lafitte, irmão mais velho de Jean, com quem aprendeu o ofício de corsário.

Em sua autobiografia oficial lançada em 1995 “Na Arena” (In the Arena: An Autobiography), Charlton Heston afirmou que se arrependeu de ter caracterizado um personagem muito mais velho do que o real Andrew Jackson era durante a guerra de 1812. A opção por tê-lo caracterizado desta forma foi devido ao fato de que a imagem mais conhecida de Jackson é a da época em que ele governou os Estados Unidos, quase vinte anos depois – imagem esta que estampa, inclusive, as notas de vinte dólares -, e o ator e produtores queriam aproveitar essa imagem marcante na memória dos americanos.

ImageAndrew Jackson tinha apenas 46 anos na época dos eventos mostrados no filme (no alto à esquerda), mas a caracterização de Charlton Heston (no alto à direita) preferiu utilizar a sua imagem mais conhecida, como a do sexagenário presidente presente nas notas de vinte dólares.

Apesar dos relatos e documentos da época, e da comprovação da ajuda dada por Lafitte aos Estados Unidos durante a batalha de Nova Orleans, não há nenhuma evidência histórica que comprove que Lafitte realmente estava pessoalmente presente nela.

No prólogo de Cecil B. DeMille, ele deixa de mencionar a grande ironia da Batalha de Nova Orleans: no momento em que foi travada, um tratado para acabar com a guerra de 1812 já havia sido assinado em Londres. Mas a notícia da assinatura não chegou à Nova Orleans até várias semanas depois. Centenas de mortes poderiam ter sido evitadas se as informações tivessem chegado à tempo.

Charlton Heston já havia interpretado Andrew Jackson anteriormente em “The President’s Lady” (O Destino me Persegue) de 1953. O filme conta a história do seu relacionamento e casamento com Rachel Donelson Robards, e de todas as dificuldades enfrentadas pelo casal, já que Rachel não era aceita pela sociedade da época devido ao seu conturbado divórcio do casamento anterior.

ImageCinco anos após “O Destino me Persegue” (acima), Charlton Heston volta a interpretar o mesmo presidente americano.

Anthony Quinn interpreta o papel de Beluche no filme “The Buccaneer” (Lafitte, O Corsário) de 1938, dirigido e produzido por seu sogro Cecil B. DeMille. Já neste remake, ele foi o diretor e DeMille o produtor.

ImageAnthony Quinn (em destaque) atuando na primeira versão de “The Buccaneer” em 1938.

O roteiro original de Cecil B. DeMille desenvolvia a história como um musical, mas foi alterado quando Yul Brynner, insatisfeito com o tratamento do material, ameaçou sair do filme.

Este foi o último filme da atriz Julia Faye. Atriz com inúmeros filmes na carreira, ela trabalhou em vários filmes de sucesso mundial, como “O maior Espetáculo da Terra” (1952), Vendaval de Paixões (1942) e as duas versões de “Os Dez Mandamentos” (1923 e 1956).

ImageJulia Faye em seu último papel no cinema.

Ao contrário do que muitos acreditam, o ator Yul Brynner não era naturalmente careca. Ele raspou o cabelo para interpretar o personagem principal em “O Rei e Eu” (1956) e gostou muito do impacto visual gerado pela sua nova imagem. Resolveu, então, adotar o novo visual como sua marca registrada, colocando-o em uma posição de destaque. Mesmo nos filmes em que aparece com cabelo, este trata-se, na verdade, de uma peruca. Inclusive em “The Buccaneer”. O único filme em que o ator aparece com seu cabelo natural é, justamente, o filme de estréia “Port of New York” (Porto de Nova Yorque) de 1949, em que interpreta o personagem Paul Vicola. Mas havia um outro motivo para Brynner adotar esse visual. O ator disse, também, que não queria ver seu envelhecimento através dos seus cabelos brancos.

ImageUm jovem e cabeludo Yul Brynner ao desembarcar nos Estados Unidos (foto de passaporte no alto à esquerda), no único filme em que aparece com os cabelos naturais (no alto ao centro), em uma das poucas séries de tv que fez ainda ostentando as madeixas (no alto à direita) e fazendo a manutenção do visual que o marcou para sempre no cinema (acima).

Fontes:imdb.com, nmm.ac.uk, indrakeswake.co.uk, examiner.com, dos.myflorida.com, operarex.highwire.com, zwallpix.com, famous-pirates.com, 4gwar.wordpress.com, danstopicals.com, mysteryfile.com e segurosdedecesosdlp.com.

Image

22 comentários para O CORSÁRIO SEM PÁTRIA / LAFITTE, O CORSÁRIO (1080p/Dual Áudio) – 1958

  • Caio Cesar  Disse:

    Procurava esse clássico com Yul Brinner a tanto tempo muito obrigado.

    • Don Costa  Disse:

      Boa noite Caio.
      Taí um ator que soube escolher muito bem os seus trabalhos.
      Todo filme de Yul Brynner se tornou clássico. Mas é óbvio que o ator também tem uma grande parcela de responsabilidade no sucesso destes filmes. Ele não só era um excelente ator, como também tinha uma presença marcante em cena.
      Grato pela mensagem.
      Abraços.

  • ronaldoant  Disse:

    valeu por compártilhar otimo trabalho

    • Don Costa  Disse:

      Olá Ronaldo.
      É um prazer compartilhar essas obras com os amigos do site.
      Obrigado pela mensagem.
      Um abraço.

  • lilbarby  Disse:

    otimo lancamento Don, baixando !! 😀

    • Don Costa  Disse:

      Olá Lilbarby.
      Na verdade, a escolha do filme desta postagem foi definida pelo Johnahex, quando ele me enviou este raríssimo áudio.
      Até então eu não conhecia o filme. Mas devo admitir que o filme me surpreendeu positivamente, embora eu devesse prever a sua qualidade assim que soube se tratar de uma produção de Decil B. DeMille, cujas produções são sempre impecáveis.
      Recomendo que baixe o arquivo maior. A diferença de qualidade dos vídeos é notável quando visualizados em TVs de alta definição.
      Obrigado por comentar.
      Abraços.

  • Wagner S.  Disse:

    Assisti legendado, agora vou rever dublado 🙂
    Muitíssimo obrigado Don Costa e Johnahex!

    • Don Costa  Disse:

      Grande amigo Wagner!
      A dublagem deste filme é muito boa. Ela dá ainda mais peso à personalidade de cada personagem. Destaque para o dublador de Charlton Heston, cuja entonação complementa a caracterização de um Andrew Jackson mais velho, experiente e, até mesmo, meio ranzinza. É um perfeito exemplar da altíssima qualidade da dublagem brasileira, há muitos anos considerada uma das melhores do mundo.
      Obrigado pela mensagem.
      Grande abraço.

  • C,TaxiDriver  Disse:

    Nossa que legal, depois de ler as informações da postagem é impossível não baixar pra conhecer melhor.

    Obrigado Don Costa por mais esse grande remaster e ao Joel pelo áudio 🙂

    • Don Costa  Disse:

      Como vai amigo C. TaxiDriver.
      O objetivo das informações extras é justamente esse. Dar um panorama do cenário histórico da época, ajudando o espectador a se localizar na trama. Isso acontece em todo filme com base histórica. Se você não está familiarizado com o contexto da época em que as ações ocorrem você acaba perdendo grande parte do sub-texto da trama. A história norte-americana é cheia de guerras, conflitos e percalços. Filmes como “The Buccaneer” são facilmente compreendidos pelos americanos, mas não pelos estrangeiros que desconhecem sua história. Desta forma, as informações extras preparam o terreno para que a degustação do filme seja mais prazerosa e eficiente.
      Muito obrigado pelo comentário.
      Abraços.

  • Thiago  Disse:

    Incrível a riqueza de informações nas postagens de Don Costa. Obrigado por trazer este clássico em alta qualidade. Agradeço também a Johnahex por ceder a dublagem. Abraços!

    • Don Costa  Disse:

      Tudo bem, Thiago?
      Eu considero cada filme como uma obra de arte única, em que o que vemos na tela é somente a parte final de um árduo trabalho que levou meses, anos, ou até décadas.
      Desde o momento em que alguém diz “_Vou fazer um filme!”, até a exibição do resultado final, ocorrem várias histórias paralelas, tão ou mais interessantes que o próprio filme. Muitas vezes esse material extra consegue sobreviver ao tempo e chega até nós. Para mim, eles são um complemento importantíssimo da obra e me dá uma boa noção de tudo pelo que passaram os envolvidos no projeto e a própria obra em si.
      Gosto de saber tudo sobre cada filme a que assisto. Isso torna a exibição muito mais interessante, e é um prazer, para mim, compartilhar os resultados de tais pesquisas com os amigos do site, oferecendo-lhes uma opção de enriquecer a experiência de se assistir à essas obras de arte.
      Muito obrigado pela mensagem.
      Um grande abraço.

  • farra4ever  Disse:

    Obrigado.

  • Ricardo  Disse:

    Don Costa & Johnahex Que postagem mais fodastica é essa? MEUS PARABÉNS!!

    • Don Costa  Disse:

      Todos os méritos para o Jonhahex, Ricardo!
      Essa postagem só foi possível devido ao raríssimo áudio que ele enviou.
      Muito obrigado pelo comentário.
      Grande abraço.

  • Falcao_Negro  Disse:

    Vou conferir com certeza, muito obrigado pela remasterização, postagem e reupload Don Costa, e ao Johnahex pela dublagem.

    Abraços.

    • Don Costa  Disse:

      Como vai, Falcao?
      Esse arquivo foi uma das vítimas do estelionato do servidor minhateca. Tive que reupar tudo o que eu guardava naquele servidor. Demorou, mas acabei. O Mega também ameaça dar alguma dor de cabeça, mas espero não levar outro tombo desses tão cedo.
      Muito obrigado pelo comentário e um grande abraço.

  • Johnahex  Disse:

    Depois de ter baixado essa pérola dos sete mares,assisti em minha tv de ’51 na sala,e sinceramente fiquei deslumbrado!!! A imagem comparada a da minha versão em tvrip é a mesma distância da terra à lua!!! Don muito obrigado por esta obra prima!!!

    • Don Costa  Disse:

      Sou eu quem te agradeço por ter me dado a oportunidade de remasterizar esta obra, Joel!
      Uma obra desta magnitude, com nomes tão talentosos envolvidos, merece ser apreciada com a melhor imagem possível.
      Mais uma vez muito obrigado pela dublagem, e também pela mensagem.
      Um grande e forte abraço, amigo!

  • lelo  Disse:

    Boa Noite,É NORMAL O Pcloud pedir pra se cadastrar?não consigo baixar nem fazer o cadastro ,ajudem-me

    • Don Costa  Disse:

      Lelo.
      O Pcloud possui um limite de banda que trava os downloads quando este limite é ultrapassado. Esta é uma das várias limitações impostas pelos servidores nos últimos meses. Até servidores que nunca apresentaram limitações, como o Mega, passaram a limitar o acesso aos arquivos.
      Mas esta limitação do Pcloud pode ser facilmente contornada. Basta que você abra uma conta gratuita no Pclould, acesse esta conta recém criada, transfira os arquivos da postagem para lá (esta opção aparece quando você clica no link da postagem) e baixe os arquivos a partir desta conta que você criou.
      Espero ter ajudado.
      Abraços.

Deixe uma resposta