NO CORAÇÃO DA TERRA (1080P / TRI ÁUDIO) – 1976

“At The Earth’s Core ” (EUA) – 1976
Aventura-Fantasia
DIREÇÃO: Kevin Connor
ROTEIRO: Milton Subotsky (Edgar Rice Burroughs)
http://www.imdb.com/title/tt0074157/

Postado por Johnahex

DADOS DO ARQUIVO:

Formato: MKV

Qualidade: Brrip 1080p (1920X1040)

Tamanho: 1,88 GB

Duração: 90 min.

Legendas: Português – selecionável.

Áudio: Áudio 1: Dublagem Clássica Vti-Rio – Johnahex
Áudio 2: Mastersound – Cannibal
Áudio 3: Inglês

Servidor: Mega / Gdrive (dividido em 10 partes)

Remasterização – Jef_Spfc.

Áudio Dublagem Clássica Vti-Rio – Johnahex.

Áudio Redublagem Mastersound – Cannibal.

Postagem: Johnahex.

LINKS

Links: Pasta com os arquivos: Mega  GDrive

Senha: teladecinema.net

Amostra da dublagem VTI-Rio

Amostra da dublagem Mastersound

EM CASO DE ARQUIVO CORROMPIDO

Os arquivos da postagem foram gerados com dados para recuperação embutidos nos mesmos, a fim de poderem ser recuperados em caso de erros durante o download. Esse sistema de recuperação repara pequenos erros em arquivos corrompidos, deixando-os em condições de serem descompactados.
Para executar essa recuperação faça o seguinte:
Abra somente a parte corrompida no winrar. Digamos que seja, por exemplo, a parte 02.
Clique na aba “Ferramentas” e depois em “Recuperar arquivos”.
Selecione o local para salvar o arquivo e clique em “Ok”.
Aguarde o final do processo. O programa criará um arquivo recuperado com um nome semelhante à esse: “fixed.NCDT1976Johnahex&Jef.part02.rar”.
Exclua a parte 02 original com problemas, renomeie esse arquivo recuperado para “NCDT1976Johnahex&Jef.part02.rar” e coloque-o na mesma pasta com as demais partes.
Descompacte normalmente. Geralmente essa ação resolve o problema..
Quando tiver algum problema com arquivos compactados no futuro, tente recuperá-los dessa forma. Lembrando que esse método de correção só funciona se o arquivo for criado com esses dados de recuperação embutidos e se os problemas com os arquivos forem pequenos.
Caso o problema persista, faça novamente o download dessa parte, evitando utilizar a internet para qualquer outra coisa durante o download. Se mesmo assim o erro persistir, avise-nos que eu upo a parte problemática novamente.
Abraços.

SINOPSE

Filme inglês dirigido por Kevin Connor e com Doug McClure e Peter Cushing filmada em 1976, baseado em fantástica história de Edgar Rice Burroughs, um veículo projetado especialmente para perfurar as rochas do solo, faz uma viagem para o núcleo da Terra, encontrando uma misteriosa civilização vivendo em seu interior, além de perigosos animais pré-históricos. Se o mundo do cinema pudesse ser refletido para a vida real, nós todos estaríamos despreocupados pois os heróicos americanos estão sempre prontos para salvar a humanidade e o nosso planeta de todos os tipos de ameaças, sejam elas do intrigante e infinito espaço exterior ou mesmo das profundezas desconhecidas da própria Terra. Mas o cinema é apenas ficção, e o mundo real está repleto de guerras, fome e violência, com grande participação dos Estados Unidos e sua política externa equivocada. Voltando para o campo da imaginação, o melhor a fazer é relaxar e procurar se divertir com as fantasias apresentadas nos filmes, mergulhando num mundo onde tudo é possível. Fonte: (cinemasonhoesaudade.com.br)

PRODUÇÃO:

AMERICAM INTERNATIONAL PICTURES,AMICUS PRODUCTIONS,BURROUGHS PRODUCTIONS INC.

SCREENS

ELENCO

Doug Mcclure…………………………..David Innes
Peter Cushing…………………………..Dr.Abner Perry
Caroline Munro…………………………Dia

VER TODO O ELENCO

INFORMAÇÕES SOBRE O FILME

PELLUCIDAR

Pellucidar é uma terra imaginada por Edgar Rice Burroughs (1875-1950), criador de Tarzã, no qual ambientou sete romances publicados de 1915 a 1963. Duas seqüelas, escritas por John Eric Holmes, foram publicadas em 1976 e 1993.

Os romances da série Pellucidar escritos por Edgar Rice Burroughs foram:
At the Earth’s Core (1914)
Pellucidar (1915)
Tanar of Pellucidar (1929)
Tarzan at the Earth’s Core (1929)
Back to the Stone Age (1937)
Land of Terror (1944)
Savage Pellucidar (1963)
“Mahars of Pellucidar”, de John Eric Holmes, foi uma seqüela autorizada pelos herdeiros de Burroughs. Mas o romance “Red Axe of Pellucidar”, reportadamente pronto em 1980, foi supostamente bloqueado pelos herdeiros e só foi impresso em 1993, em uma edição privada e limitada.

Nesses romances, a Terra é uma concha oca com Pellucidar em sua superfície interna, acessível através de uma passagem nos pólos – embora seus heróis a descubram por meio de uma “toupeira de ferro” (iron mole) que escava um túnel de 800 km.

Apesar de a superfície interna da Terra ter uma área total menor que a exterior, a área terrestre de Pellucidar é maior, pois seus continentes espelham os oceanos da Terra e vice-versa. Devido à concavidade de sua superfície, não tem horizonte: quanto maior a distância, mais alta parece a superfície, até se perder na névoa atmosférica.

A superfície é iluminada por um sol em miniatura suspenso no centro da esfera oca, sempre perpendicular à superfície, exceto sob uma pequena lua geoestacionária, coberta de vegetação, que gera um eclipse perpétuo numa zona conhecida como “Terra da Sombra Medonha” (Land of Awful Shadow).
Como não há movimento dos céus, os nativos têm pouca noção de tempo. Os eventos da série sugerem que o tempo, além disso, tem diferentes ritmos em diferentes partes de Pellucidar.

Os principais habitantes de Pellucidar incluem:

Os mahars, répteis voadores inteligentes com poderes psíquicos, que subjugam tribos humanas ainda na Idade da Pedra;

Os sagoths, antropóides que falam a mesma língua dos mangani, os homens-macacos de Tarzã ,e são usados pelos mahar para controlar os humanos;

Os humanos, que vivem na Idade da Pedra, oprimidos, pelos mahars e sagoths, mas com ajuda dos heróis se unem para derrubar os mahar e criar um “Império de Pellucidar” humano;

Os homens-macacos (ape men), negros, com cauda preênsil, arbóreos;

Os homens dentes-de-sabre, semelhantes a símios, negros, com cauda preênsil, canibais, com presas em forma de adaga;

Os homens-brutos (brute-men) ou gorilas-ovelhas (gorilla-sheep), pacíficos agricultores semelhantes a gorilas;

Os azarianos, gigantes canibais;

Os ganaks, homens-bisões chifrudos;

Os horibs, ferozes homens-répteis que cavalgam dinossauros;

Os coripies ou “povo enterrado”, pequenos, sem olhos e comedores de carniça, que vivem em subterrâneos;

O ator / dublê Bobby Parr perdeu um dedo durante uma sequência de luta com Doug McClure que deu errado. Ele interpretou o chefe dos sagoths.

Este foi o antepenúltimo filme produzido pela Amicus, principal rival da Hammer durante os anos 1960 e 70. Foi filmado de 20 de janeiro à 20 de março de 1976, na esteira da marcante produção de horror da Hammer “Uma filha Para O Diabo”, lançada em 04 de março daquele ano.

Este filme popular tornou-se o 18º filme britânico mais rentável de 1976.

O TRIO PROTAGONISTA

Doug McClure

Douglas Osborne McClure nasceu em 11 de maio de 1935 em Glendale, Califórnia. Educado na UCLA, este elegante jovem loiro fez uma carreira em papéis onde aparentava sempre uma idade menor que a que tinha realmente. Ele interpretou um jovem coadjuvante após o outro através de inúmeros filmes e seguidas séries de televisão, sendo 20 papéis apenas no final dos anos 40. Embora ele fizesse mais de 500 personagens em sua carreira (contando episódios de televisão separadamente), ele é, sem dúvida, mais lembrado como Trampas na série “O Homem de Virgínia” (1962) e Backtrack! (1969). McClure estava lutando contra o câncer nos últimos dois anos antes de sua morte. Apesar disso, ele continuou a trabalhar, aparecendo em Maverick (1994) como um dos jogadores, bem como em “Cavaleiros na Tempestade” (1995) e episódios de “A Lei de Burke” (1994) e Kung Fu: A Lenda Continua (1993). Doug McClure morreu aos 59 anos de câncer de pulmão em 05 de fevereiro de 1995.

Peter Cushing

Peter Wilton Cushing nasceu em 26 de maio de 1913 na Kenley, Surrey, Inglaterra, filho de Nellie Maria King e George Edward Cushing, um topógrafo bastante qualificado. Em tenra idade, Cushing foi atraído pela dramaturgia, inspirado por sua tia favorita, que era atriz de teatro. Enquanto na escola, Cushing perseguiu seu interesse como ator de teatro e também desenho, um talento que ele utilizou posteriormente em seu primeiro emprego como assistente de um inspetor do governo, também em Surrey. Neste momento, ele também se envolveu no teatro amador local, até se mudar para Londres para participar da Guildhall School of Music and Drama, quando ganhou uma bolsa de estudos. Ele então ganhou um bom repertório de teatro, decidindo em 1939 ir para Hollywood, onde ele fez sua estréia no cinema em “O Máscara de Ferro” (1939). Outros filmes de Hollywood incluem “Dois Palermas em Oxford” (1940), com Stan Laurel e Oliver Hardy (O Gordo e o Magro), “Noites de Vigilia” (1940) e “Proibidos de Amar” (1941). No entanto, após uma curta estadia, ele retornou à Inglaterra passando por Nova York (fazendo breves aparições na Broadway) e Canadá. De volta à sua terra natal, ele contribuiu para o esforço de guerra durante a Segunda Guerra Mundial, unindo o a “Associação Nacional dos Serviços de Entretenimento”.

Depois da guerra, ele se apresentou no West End, e teve sua grande chance aparecendo com Laurence Olivier em “Hamlet” (1948), em que seu futuro parceiro no cinema de horror, Christopher Lee, teve um pequeno papel. Ambos os atores também apareceram em “Moulin Rouge” (1952), mas não se conheceram até trabalharem em seus filmes de terror posteriores. Durante os anos 1950, Cushing se tornou um rosto conhecido na televisão britânica, aparecendo em vários trabalhos para a tv, como “1984” (1954) e “Beau Brummell” (1954), até o final da década, quando ele começou a sua associação lendária com a “Hammer Film Productions” em seus remakes dos clássicos de terror dos anos 1930 da Universal. Seus primeiros papéis na Hammer incluem o Dr. Frankenstein em “A Maldição de Frankenstein” (1957), Dr. Van Helsing em “O Vampiro da Noite” (1958) e Sherlock Holmes em “O Cão dos Baskervilles” (1959).

Cushing continuou interpretando os papéis dos Drs. Frankenstein e Van Helsing, bem como outros personagens de terror, em filmes da Hammer ao longo dos 20 anos seguintes. Ele também apareceu em filmes para a outra grande produtora de terror da época, Amicus Productions, incluindo “As Profecias do Dr. Terror” (1965) e suas antologias de terror posteriores. Em meados da década de 1970, essas empresas estavam parando a produção, mas Cushing, firmemente estabelecido como uma estrela de horror, continuou no gênero por algum tempo depois disso.
Talvez o seu mais conhecido personagem fora do gênero de filmes de terror foi o “Grand Moff Tarkin” no fenomenal sucesso filme de ficção científica de George Lucas, “Guerra nas Estrelas” (1977). “Biggles” (1986) foi o último filme de Cushing antes de sua aposentadoria, durante a qual ele fez algumas aparições na televisão, escreveu duas autobiografias e prosseguiu com os seus passatempos de observação de aves e pintura. Em 1989, foi promovido a um oficial da Ordem do Império Britânico em reconhecimento das suas contribuições para a profissão de ator na Grã-Bretanha e no mundo. Peter Cushing morreu aos 81 anos de câncer de próstata em 11 de agosto de 1994.

Caroline Munro

A atriz Caroline Munro nasceu em Windsor em 16 de janeiro de 1949 e viveu em Rottingdean perto de Brighton, onde frequentou a “Catholic Convent School” (escola católica administrada por um convento). Por acaso, sua mãe e um fotógrafo inscreveram uma foto sua em uma competição chamada “Rosto do Ano” para o jornal britânico “The Evening News”, o qual ela venceu. Isto abriu caminho para sua carreira de modelo e seu primeiro trabalho foi para a “Vogue Magazine”. Aos 17 anos ela se mudou para Londres para prosseguir com seus trabalhos de top model e se tornou uma modelo importante para a moda e comerciais de televisão enquanto esteve lá.

Também recebeu pequenos papéis coadjuvantes e de figuração em filmes como “Casino Royale” (1967) e “Ladrão e Galante” (1969). Um de seus muitos anúncios contendo uma linda foto lhe rendeu um teste de tela e um contrato de um ano a Paramount onde ela ganhou o papel da filha de Richard Widmark na comédia / western “A Talent for Loving” (1969). Ela conheceu o primeiro marido / ator Judd Hamilton filmando este filme, mas depois se divorciaram. Também em 1969, ela se tornou a garota-propaganda oficial da empresa de bebidas “Lamb’s Navy Rum”, numa parceria que durou dez anos. Ela não tinha falas como a esposa morta de Vincent Price em “O Abominável Dr. Phibes” (1971) e “A Câmara de Horrores do Abominável Dr. Phibes” (1972), que, por sua vez, levou a um contrato com os Studios Hammer para alguns filmes de baixo orçamento como “Drácula no Mundo da Minissaia” (1972) e “Capitão Kronos, O Caçador de Vampiros” (1974).

Papéis mais visíveis vieram já fora da Hammer, como a personagem Margiana em “A Nova Viagem de Sinbad” (1973), a princesa Dia em “No Coração da Terra” (1976), e uma letal Bond-girl em “007 – O Espião Que me Amava” (1977), um dos melhores filmes de Roger Moore na série ‘007’. Em 2001 ela foi considerada a mais bela entre todas as bond-girls da franquia, mesmo com pouco tempo na tela, em que sua personagem morre pouco depois de surgir. Isso numa lista que contém Ursula Andress, Bárbara Bach e Jane Seymour. Porém a qualidade de seus papéis não melhorou com sua maior visibilidade e a atriz nunca ganhou um grande papel como protagonista, embora ainda continue em atividade.

Fontes: Imdb.com, aveleyman.com, pt.fantasia.wikia.com, erbzine.com, pellucidarskartaris.blogspot.com.br, edgarriceburroughs.blogspot.com.br e comicartfans.com.

14 comentários para NO CORAÇÃO DA TERRA (1080P / TRI ÁUDIO) – 1976

  • farra4ever  Disse:

    Obrigado.

  • jack182ok  Disse:

    esses filmes de dinossauros e etc. são demais obg!

    • Johnahex  Disse:

      Com certeza jack,quem não gosta de filmes com dinossauros!O que falar de “Jurassic Park” que revolucionou com seus efeitos especiais realísticos nos dando uma visão mas ampla da realidade desses répteis!Obrigado,espero que goste!

  • zecalango2016  Disse:

    Muito bom o seu Features sobre o filme, muito legal, e cultural, parabéns!

    • Johnahex  Disse:

      Valeu zeca!Primeiramente quero agradecer ao Jef Ferreira pelo excelente projeto que nos presenteou à todos e sua paciência e trabalho,valeu Jef!!! E ao grande Don Costa nosso “Cecil B.DeMille” das postagens faraônicas!Essa postagem seria no original bem simples,tipo padrão,mas o Don como é perfeccionista, não resistiu ao tema e o enriqueceu mais ainda, pra que conhecêssemos a obra de Edgar Rice Burroughs a qual nem eu sabia!Gente precisamos ler mais!Mais justo seria “Postado por Don Costa e Johnahex”,valeu Don pela contribuição enriquecedora,isso só faz o Tela de Cinema ficar ainda maior!

      • Don Costa  Disse:

        Olá, grande amigo Joel.

        A postagem continua simples, se levarmos em conta o enorme universo criado pelo escritor. Eu não consegui, por exemplo, encontrar um exemplar do livro em português para adicionar à postagem, nem qualquer uma das graphic novels que foram criadas baseadas em sua obra.

        As informações sobre o filme assim como a disputa entre as produtoras rivais também gerariam textos extensos, e mesmo focando apenas no trio de protagonistas eu tive de fazer biografias bem resumidas.

        Enfim, se eu fosse buscar todos os elementos que a postagem merecia, ela não seria postada este ano.

        Mas o mais importante é o filme em si e o seu arquivo, agora, está disponível para todos os marujos e visitantes do Tela.

        Muito obrigado por nos presentear com esta charmosa produção de baixo orçamento com grande qualidade e sua dublagem original.

        Forte abraço.

  • NildoAlves  Disse:

    Muito obrigado por esse trabalho aos amigos:
    Remasterização – Jef_Spfc.

    Áudio Dublagem Clássica Vti-Rio – Johnahex.

    Áudio Redublagem Mastersound – Cannibal.

  • Johnahex  Disse:

    Esse é o grande NildoAlves!Obrigado amigão pela presença e muito mais ainda seus projetos espetaculares em 5.1!Na verdade Nil, detesto redublagem,por mim nem entraria nessa obra,mas respeito meus amigos e seu trabalho,então pra quem gosta de redublagem tá aí!Valeu!

  • Mopho Digital  Disse:

    Johnahex, Jeff e Cannibal, muito obrigado! Esse filme é daquela safra tão rica de ficção antiga! Peter Cushing sempre perfeito, e de quebra a bela Caroline Munro!! Concordo que dublagem antiga é melhor, muitas poucas vezes conseguem se comparar quando redublam alguma coisa! Valeu pessoal!!

    • Johnahex  Disse:

      Disse tudo Mopho!Valeu pelo comentário e também pelas suas dublagens raras,continue amigão!

  • Jorge Lima  Disse:

    Johnahex, parabéns por esse trabalho extraordinário, sem falar nos servidores q hoje em dia são os melhores.
    Valeu, e continua fazendo essas obras legais,,, q eu to aqui acompanhando pra baixar todos q vierem.
    Thanks a lot!!!

    • Johnahex  Disse:

      Valeu Jorge!Na verdade não confio em servidor algum!Disponibilizo meu acervo apenas para que todos tenham acesso,isso segue um raciocínio,se eu perder esse clássico,você o têm!E outros também!

  • ROBERTO ALVES  Disse:

    elogiar com palavras esse trabalho de equipe seria pouco devido a grandiosidade da dedicação que a equipe do tela colocou aqui – estão todos de parabéns. Que bom que vocês existem e podem ter certeza que vou rever várias vezes essa obra. Obrigadaço e valeuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuu

Deixe uma resposta