FOME ANIMAL (Dublado) – 1992

DEAD ALIVE – 1992
TERROR – COMÉDIA
DIREÇÃO: Peter Jackson
ROTEIRO: Stephen Sinclair, Frances Walsh e Peter Jackson
IMdb: 7,6
http://www.imdb.com/title/tt0103873/

DUBLAGEM CLÁSSICA

Postado por Sparrow

Dados do arquivo:
Formato: AVI
Qualidade: DVDRip
Tamanho: 1.235 GB
Duração: 99 min.
Legendas: S/L
Áudio: Português/Espanhol* (* Somente para o primeiro minuto do filme)
Servidor: 4Shared (dividido em 7 partes)

ATENÇÃO: Para baixar pelo 4Shared é necessário se cadastrar.
Clique aqui e aprenda a se cadastrar no 4Shared.

LINKS:
Parte 01: FOME ANIMAL
Parte 02: FOME ANIMAL
Parte 03: FOME ANIMAL
Parte 04: FOME ANIMAL
Parte 05: FOME ANIMAL
Parte 06: FOME ANIMAL
Parte 07: FOME ANIMAL

SENHA: teladecinema_blog

AVISO: Digite a senha, não use copiar e colar.

Sinopse: A mãe de um rapaz muito tímido é mordida por um macaco-rato de Sumatra, fica doente e morre, mas retorna como um zumbi matando e comendo animais e pessoas. O filho tenta esconder o fato, principalmente da moça por quem está apaixonado, mas a peste se alastra rapidamente e ele vê sua casa ser invadida por uma legião de mortos-vivos.

– O diretor Peter Jackson construiu sua própria versão para uma Stedicam, apenas para rodar este filme.
– Durante a realização do filme não houve um único corte sequer em seu roteiro original.
– Na Suécia quando se alugava Fome Animal em locadoras recebia-se juntamente um saco de vômito.
– Existem versões de Fome Animal com 85, 97, 103 e 104 minutos.


Elenco:
* Timothy Balme (Lionel Cosgrove)
* Diana Peñalver (Paquita Maria Sanchez)
* Elizabeth Moody (Vera Cosgrove)
* Ian Watkin (Tio Les)
* Brenda Kendall (Enfermeira McTavish)
* Elizabeth Brimilcombe (Mãe do Zombie)
* Stuart Devenie (Padre McGruder)
* Jed Brophy (Void)
* Stephen Papps (Zombie McGruder)
* Peter Jackson
* Frances Walsh
Ver todo o elenco >>>


Ficha técnica:
país: Nova Zelândia
duração:
estúdio: New Zealand Film Comission / WingNut Films
distribuidora: Trimark Pictures
Mais informações >>>


Crítica:
Qual o primeiro filme realmente sangrento da historia do cinema?
Alguns apontam o raro e esquecido Banquete de Sangue (Blood Feast, 1963), de Herschel Gordon Lewis, como o marco inicial do splatter-gore, estética cujo objetivo primordial é chocar e nausear o público de forma explícita e direta, com sangue, restos humanos e animais e uma infinidade de outras porcarias em profusão verdadeiramente delirante; outros sugerem como o começo de tudo o brutal e avassalador O Massacre da Serra Elétrica (The Texas Chainsaw Massacre, 1974), de Tobe Hooper, talvez porque seja menos ingênuo e mais bem elaborado tanto do ponto vista gráfico quanto conceitual; outros, ainda, imaginam que esse posto bizarro deve pertencer ao não menos violento e arrasador Zumbi, O Despertar dos Mortos (Dawn of Dead, 1979), de George Romero. E a questão, como tudo o mais, vai ainda mais longe do que isso.
Parece ponto de comum acordo, entretanto, que o auge dessa estética agressiva que remodelou a maneira de se contar/mostrar uma história de horror foi a saudosa década de 1980, e isso por dois excelentes motivos: a adaptação e aceitação do público a essa nova modalidade e a revolução dos efeitos especiais. O público resolveu que queria ver sangue e os cineastas concluíram que tinham como proporcionar isso de forma convincente. Assim, a década se iniciou forte, com dois clássicos absolutos do gênero: O Enigma do Outro Mundo (The Thing, 1982), de John Carpenter, e A Morte do Demônio (The Evil Dead, 1982), de Sam Raimi. O primeiro representava, além do horror cru, direto e antiestomacal, a ficção científica, provando que os tempos haviam realmente mudado; e o segundo representava o horror negro, diabólico, entremeado de humor com toques de paródia e autogozação, provando que os tempos não só haviam mudado, mas haviam mudado muito. A década foi sanguinolenta, principalmente na Itália. Uma prévia do que estava por vir, porém.


Em 1992, o diretor neozelandês Peter Jackson resolveu que faria um filme que sintetizaria tudo o que fora visto até então no cinema de horror explícito. E conseguiu.
Não acho que seja possível ir além de Fome Animal (Braindead) em matéria de extrapolação splatter-gore e escatologia hiper-realista. Eu só não diria que perto dele o badalado A Morte do Demônio não passa de um esforçado documentário de higiene matinal porque seria cometer uma injustiça feia ao clássico de Sam Raimi – afinal, uma década os separam, além de significativa diferença orçamentária.
Jackson já havia tentado algo semelhante antes, com os filmes Trash, Náusea Total (Bad Taste, 1987) e Meet the Feebles (1989, inédito por aqui); o primeiro relatava uma invasão alienígena hostil em busca de carne humana para saciar a fome incontrolável dos tais invasores, e o segundo, uma sátira impiedosa aos filmes de bonecos animados estilo Muppet Show, com escatologia e sexo bem humorados. Ambos os filmes, embora sangrentos e agressivos, no entanto, eram toscos e praticamente experimentais, sem um acabamento definido e com idéias pouco ambiciosas. Com Braindead (que também é conhecido como Dead Alive) a coisa foi muito mais ousada e criativa.
Uma das características básicas dos filmes splatter-gore que permearam o período foi o humor; com raras exceções, esse elemento de interesse duvidoso apareceu em quase todos os filmes dos anos 80, principalmente naqueles que tiveram seqüências e franquias determinadas, como é o caso do próprio “Evil Dead”, além de muitos outros que rendem seqüências até agora. Fome Animal, portanto, é um catado não só do que se viu em termos de dilacerações, desmembramentos, esguichos, decepações, vômitos, perfurações, marretadas, porretadas, escoriações e outras sensíveis formas de se dar fim a um corpo – humano ou animal – mas também uma coletânea de referências bem humoradas a outros filmes de horror, passando por elementos distintos tanto de clássicos como o Psicose (Psicho, 1960), de Alfred Hitchcock, e a famosa trilogia de mortos-vivos de Romero, até outros mais recentes como o supracitado A Morte do Demônio e Hellraiser, Renascido do Inferno (Hellraiser, 1987), de Clive Barker, só para citar os mais óbvios.


E se isso não bastasse, há uma seqüência em que o herói da trama se vê envolvido numa luta com alguns mortos-vivos num cemitério e resolve a contenda num hilário e muito bem ensaiado duelo de Kung-Fu (!), daqueles, maravilhosos, que eram apresentados nos filmes do lendário Bruce Lee (!!). Claro, num roteiro que é apenas uma desculpa esfarrapada para mostrar sangue e mutilações infinitas, isso não passa de um detalhe. E, por falar em roteiro, a história é pra lá de boba: um rapaz bestalhão (Timothy Balme), totalmente dominado pela mãe neurótica (Elizabeth Moody), arranja uma namorada (Diana Penalver) e marca um passeio com ela pelo zoológico da cidade, sem saber que sua mãe, ciumenta e superprotetora, está em sua cola; acidentalmente a velha é mordida por um macaco-rato escroto de Sumatra e, aos poucos, vai apodrecendo viva, até que é finalmente dada como morta e encarcerada no porão. A velha volta como um zumbi asqueroso e passa a aterrorizar não só a vida do casalzinho, mas de qualquer idiota que cruzar seu caminho, contagiando a todos e criando um verdadeiro exército de zumbis carniceiros. Daí até o final é só carnificina e podreira, em seqüências verdadeiramente memoráveis dentro da filmografia gore, com sangue espirrando pra tudo quanto é lado, num show alucinante de efeitos especiais de primeira qualidade e tinta vermelha em profusão, tudo orquestrado com maestria e agilidade pelas mãos ousadas do diretor. Se exagero pouco é bobagem, em determinada altura o herói da história é persistentemente perseguido por um intestino grosso raivoso e precisa combatê-lo com a única arma disponível no momento: um cortador de gramas! O realismo das seqüências, no entanto, é de impressionar qualquer George Romero e Lucio Fulci da vida…


Além dos fãs, quem reparou nisso foram os figurões de Hollywood, que não perderam tempo e logo pegaram o diretor em seus irresistíveis laços. Dum dia para o outro ele estava trabalhando numa super-produção. Não é de surpreender, pois, que tenha sido o responsável pela bomba completamente sem graça Os Espíritos (The Frighteners, 1996), já que raramente um diretor habituado a orçamentos reduzidos e improvisações de início de carreira continue de pulso firme em suas primeiras produções mais generosas. No entanto, ao que parece, ele já superou essa fase, e hoje está ganhando rios de dinheiro no cinemão hollywoodiano com os épicos de fantasia baseados nos livros da série “O Senhor dos Anéis”, de J. R. R. Tolkien. Vai se dar bem assim no inferno!

Fonte: http://siteantigo.bocadoinferno.com/artigos/fomeanimal.html

Arquivo corrompido? Senha incorreta? Arquivo sem áudio?
Arquivo sem imagem? Arquivo sem legenda? Link com defeito?

Leia o tópico de AJUDA: http://tel4decinem4.blogspot.com.br/p/ajuda.html

10 comentários para FOME ANIMAL (Dublado) – 1992

Deixe uma resposta