DOCTOR WHO: 6ª TEMPORADA DA 2ª FASE (DUAL ÁUDIO/1080P) – 2011

DOCTOR WHO: THE COMPLETE SIXTH SERIES – 2011
REINO UNIDO
AVENTURA – DRAMA – FAMÍLIA – FEITO PARA TV – FICÇÃO CIENTÍFICA – SÉRIE
ROTEIRISTA-CHEFE: Steven Moffat
IMDb: 8,7 https://www.imdb.com/title/tt0436992/

RMZ – BR-RIP – DUAL ÁUDIO – A SEXTA TEMPORADA COMPLETA – SEGUNDA FASE – 14 EPISÓDIOS + EXTRAS

Postado por Lobo Vegetariano

DADOS DOS EPISÓDIOS
Formato: MKV
Qualidade: Blu-ray 1080p
Tamanho: Entre 700 MB e 1 GB
Duração: 40~60 min. por episódio.
Legenda: Português BR (forçada no penúltimo episódio – separada na pasta)
Áudios: Português BR / Inglês – Selecionáveis
Servidor: Mega (parte única por episódio)
Remasterizadores: JR Filho, Dinho e Belmont
Uploader: Lobo Vegetariano

DADOS DOS EXTRAS
Formato: MKV e MP4
Qualidade: Blu-ray 1080p e DVDRip 480p
Tamanho: Entre 1 KB e 167 MB por arquivo
Duração: Entre 1 e 15 min. por extra
Legendas: Português BR – Separadas para os arquivos Blu-ray, selecionáveis dentro dos arquivos DVDRip e fixa para um arquivo MP4.
Áudio: Inglês
Servidor: Mega (parte única por episódio)
Uploader: Lobo Vegetariano

NOTAS: Eu ripei quatro extras do DVD brasileiro desta temporada mais a título de curiosidade do que outra coisa, pois as legendas são as piores que já vi de um DVD oficial; são inúmeros erros de tradução, português e legendagem. Uma completa vergonha.

No extra “Um Conto Noturno (Doctor Who Confidencial)”, é dito que “nos 48 anos de Doctor Who ninguém tinha feito isso antes”, o que é um erro grotesco, pois em um episódio da história Logopolis, de 1981 (apenas 30 anos antes), foi exatamente o que fizeram!

Ao tentar melhorar a qualidade do áudio, o remasterizador fez com que ele ficasse muito baixo em alguns episódios. Se isso for um problema, recomendo baixar na qualidade original em que postei aqui ano passado, confira logo abaixo.

VEJA TAMBÉM: DOCTOR WHO – SEXTA TEMPORADA COMPLETA – SEGUNDA FASE (DUAL ÁUDIO/WEB-RIP) – 2011 Postado por Lobo Vegetariano
VEJA TAMBÉM: DOCTOR WHO: 5ª TEMPORADA DA 2ª FASE (DUAL ÁUDIO/720P/1080P) – 2010 Postado por Lobo Vegetariano

PASTA COM OS EPISÓDIOS E EXTRAS: DOCTOR WHO – A SEXTA TEMPORADA COMPLETA – SEGUNDA FASE

Doctor Who é uma série galardoada de ficção científica britânica, produzida e transmitida pela BBC. Nela acompanhamos as aventuras de um misterioso viajante do tempo conhecido apenas como “O Doutor” que viaja na sua máquina do tempo, conhecida como TARDIS, cuja aparência exterior se assemelha a uma cabine da polícia londrina da década de 1960. Juntamente com os seus companheiros, ele explora o espaço e o tempo, por vezes corrigindo os males e resolvendo problemas que encontra.

A série está referenciada no Guiness como “a mais longa série de ficção científica do mundo” por ter sido estreada em 1963, sendo também um ícone da cultura popular britânica. É reconhecida pelas histórias imaginativas, pelos seus criativos efeitos especiais, pelos cortes de orçamento e pelo uso pioneiro de música eletrônica.

Nesta temporada, o Doutor convida seus amigos para a sua morte, depois leva-os para 1969 nos EUA, juntam-se a piratas para enfrentar uma suposta sereia, visitam um planeta vivo, conhecem uma nova forma de vida, ajudam um garoto a superar seus medos, entre outras aventuras.

O episódio O Astronauta Impossível foi dedicado à memória de Elisabeth Sladen, intérprete da antiga companheira Sarah Jane Smith, que faleceu por câncer em 19 de abril de 2011, 12 dias antes de estrear o episódio.

Ao escrever a cena da morte do Doutor mais velho, Steven Moffat quis que a audiência entendesse que os Senhores do Tempo não são invencíveis, e que podem morrer permanentemente se matá-los antes do término de sua regeneração.

Ao criar o Silêncio, Moffat queria que eles competissem com os monstros do passado em ser os mais aterrorizantes da série. Ele achava que essas criaturas eram “um desafio muito maior”. Seu design foi parcialmente inspirado na pintura O Grito de Edvard Munch.

Embora Mark Sheppard seja um ator inglês, este foi seu primeiro trabalho em uma série britânica. Para a cena com o Canton Delaware idoso, os produtores originalmente planejavam envelhecer Sheppard com maquiagem. No entanto, Sheppard sugeriu que seu pai, William Morgan Sheppard, desempenhasse o papel, sugestão que eles aceitaram.

O pirata Henry Avery foi mencionado pela primeira vez nos episódios da história de 1966 Os Contrabandistas (no original, The Smugglers), que fala sobre a busca pelo “ouro de Avery”.

Em janeiro de 2011, foi anunciado que o ator de Downton Abbey, Hugh Bonneville, faria uma aparição interpretando um “capitão pirata” em um episódio da sexta temporada de Doctor Who. Matt Smith e Karen Gillan acharam que trabalhar com ele era “muito divertido”. Em seguida, em fevereiro de 2011, foi anunciado que a atriz e modelo Lily Cole interpretaria uma criatura do mar. Os produtores estavam procurando uma atriz que fosse “bela”, “impressionante” e ainda de certa forma “perturbadora”. Cole foi uma das primeiras opções e aceitou o papel quando o propuseram.

Os produtores queriam desenvolver um episódio de Doctor Who em alto mar, por isso fizeram A Maldição da Mancha Negra. Ele também foi feito para permitir que o Doutor e seus companheiros “relaxassem e se divertissem um pouco”. Como o tema era piratas, os produtores queriam incluir tantos elementos de ficção pirata quanto possível, incluindo tesouros, tumultos, clandestinos, andar pela prancha, tempestades, espadas e um pirata de “bom coração” que “não fosse muito ruim”. Originalmente, A Maldição da Mancha Negra seria o nono episódio da temporada, mas passou para o terceiro lugar, quando o produtor executivo Steven Moffat percebeu que a primeira parte da temporada estava muito sombria.

Neil Gaiman escreveu o episódio A Esposa do Doutor, pois queria fazer um episódio focado na própria TARDIS, algo que nunca havia sido feito desde a estreia da série em 1963. O plano original focava na ideia de o Doutor ser perseguido por um inimigo dentro da TARDIS, mas sofreu várias mudanças. Gaiman decidiu se concentrar nos companheiros, porque o conhecimento do Doutor de sua nave tornaria muito fácil para ele escapar de seu inimigo. Então ele fez da própria TARDIS a ameaça no lugar de qualquer alienígena para evitar transformá-la em um simples jogo de gato e rato, e então incluiu a ideia de Idris para explicar o que aconteceu com a mente da TARDIS durante esse ataque. A ideia central era um cenário “e se …?” para ver o que aconteceria se o Doutor e a TARDIS pudessem falar um com o outro. Steven Moffat gostou da ideia de a TARDIS ter a aparência de uma mulher, pensando que esta seria a “história de amor definitiva” para o Doutor.

Gaiman começou a escrever A Esposa do Doutor antes mesmo de Matt Smith ter sido escolhido como o décimo primeiro Doutor. Gaiman tinha imaginado David Tennant como Doutor no primeiro esboço, sabendo que o próximo Doutor seria diferente. Apesar disso, ele não teve problemas em escrever os diálogos. O episódio foi originalmente o décimo primeiro da temporada anterior. No entanto, ele foi adiado para esta temporada devido a problemas orçamentais, e o décimo primeiro episódio seria substituído por O Inquilino, apesar de que Gaiman foi forçado a trabalhar com menos dinheiro do que ele teria gostado; por exemplo, ele teve que remover uma cena na piscina da TARDIS e, em vez de usar um monstro projetado por ele, teve que se contentar com a reutilização de um Ood.

A mudança para a sexta temporada também significou incluir Rory, que havia desaparecido na posição original do episódio na temporada passada. Com Rory, ele teve que “reformar” grande parte da segunda metade do episódio, no qual antes Amy estava sozinha na TARDIS. No projeto original que Amy era a única companheira, Gaiman tinha acrescentado um “monólogo de partir o coração”, ele descreveu dizendo “você poderia ver o que é ser o companheiro do ponto de vista do companheiro, e ela falou essencialmente como é triste, de certa forma. Algum dia algo iria acontecer com ela, ela iria se casar, monstros a devorariam, morreria, o Doutor cansaria dela, mas ele continuaria para sempre.” Em certo ponto, Gaiman estava esgotado de reescrever rascunhos, e pediu ajuda a Steven Moffat. Ele escreveu o que Gaiman chamou de “algumas das melhores frases do episódio” e rapidamente reescreveu várias cenas quando o orçamento ameaçava as filmagens.

O autor do episódio Terrores Noturnos, Mark Gatiss, disse à Radio Times que ele sempre teve medo de bonecas, e ficou surpreso com o fato de Doctor Who nunca tê-las usado antes. Ele estava especialmente interessado em bonecas de madeira, que ele disse que eram “o material dos verdadeiros pesadelos”. O episódio originalmente teria o título What Are Little Boys Made Of? (Do que são feitas as crianças pequenas?)

Para conseguir uma maior variedade de histórias na primeira metade da temporada, Terrores Noturnos mudou-se para a segunda parte, tendo sido originalmente filmado como o quarto episódio, e mostrado em prévias da primeira metade da temporada. Isso fez com houvesse a necessidade de fazer pequenas alterações no roteiro, incluindo a remoção de uma sequência de aparição da Madame Kovarian. A última cena original foi cortada e foi escrita uma nova para que fizesse sentido em sua nova posição na temporada. A cena consistia de uma canção de ninar em que Steven Moffat quis antecipar a morte do Doutor, e pediu Gatiss para escrever os versos, que ele descreveu como “muito maravilhosos”. Variações deles são ouvidas nos episódios Época de Encerramento e O Casamento de River Song.

Até O Casamento de River Song, A Garota que Esperou é o episódio da segunda fase da série com o menor elenco, apenas com dois atores de voz além do elenco principal. O único episódio da primeira fase da série com um elenco menor é À Beira da Destruição (no original, The Edge of Destruction), de 1964, que apresentava apenas os quatro atores principais.

No episódio O Complexo de Deus, o Doutor identifica a besta como um parente distante dos Nimon, um antigo inimigo na história clássica Os Chifres de Nimon (no original, The Horns of Nimon). Um pouco antes, o Doutor, forçado a quebrar a fé de Amy nele, repete um evento que aconteceu anteriormente em A Maldição de Fenric (no original, The Curse of Fenric), onde o Sétimo Doutor foi forçado a quebrar a fé de Ace nele. Além disso, o hotel e seu design foram comparados ao filme de Stanley Kubrick, O Iluminado, usando uma composição similar de longos corredores e estranhos ângulos de câmera. Os críticos também observaram que o episódio foi inspirado no romance 1984 de George Orwell, particularmente na ideia dos quartos (no caso de Orwell, sala 101) que contêm os mais profundos terrores de cada pessoa.

No episódio Época de Encerramento, além de o Craig voltar, os Cybermats aparecem pela primeira vez na segunda fase da série. Na primeira fase, apareceram em A Tumba dos Cybermen (1967), A Roda no Espaço (1968) e Vingança dos Cybermen (1975). Nesse episódio, o Doutor examina um brinquedo e diz: “Cão robô; não tão divertido quanto eu me lembrava”, aludindo ao K-9, um cão robô que acompanhava o Quarto Doutor. Por último, o Doutor expressa seu descontentamento em relação à “redecoração” da casa de Craig usando uma frase do Segundo Doutor (Patrick Troughton) em Os Três Doutores (1973) e Os Cinco Doutores (1983).

Ainda em Época de Encerramento, Amy se tornou uma pessoa famosa, aparecendo em uma propaganda para o perfume Petrichor com o slogan “Para a garota que está cansada de esperar”. O conceito do petrichor foi usado como uma senha psíquica em A Esposa do Doutor, e significa “o cheiro da terra depois da chuva”.

O centro argumental do episódio O Casamento de River Song centra-se nos danos causados por River quando tenta reescrever um ponto fixo no tempo. O conceito de “pontos fixos” na história que não podem ser alterados, nem mesmo pelo Doutor ou seus companheiros, foi introduzido em Os Astecas (1964).

O Casamento de River Song conclui o arco de história da aparente morte do Doutor na abertura da temporada, O Astronauta Impossível, e revela mais partes da linha do tempo de River Song. Steven Moffat, roteirista-chefe e autor do episódio, descreveu-o como “uma ótima viagem na montanha-russa da loucura de Doctor Who”.

Após a morte do ator Nicholas Courtney, o Doutor descobre em O Casamento de River Song que o personagem de Courtney, o brigadeiro Lethbridge-Stewart, morreu pacificamente em um asilo. Falando sobre essa homenagem, Moffat disse: “Em uma história sobre o Doutor que vai para a morte, parecia certo e apropriado apresentar uma das maiores perdas que Doctor Who sofreu.” Moffat também confirmou que os tapa-olhos são também uma homenagem a Courtney, que usou um quando interpretou uma versão alternativa do brigadeiro na história Inferno (1970). Vários personagens reaparecem no episódio, incluindo Charles Dickens (Simon Callow) do episódio Os Mortos Inquietos, Winston Churchill (Ian McNeice) de A Vitória do Daleks, o médico Siluriano Malohkeh (Richard Hope) da temporada anterior, entre outros. McNeice sabia que havia espaço para a volta do seu personagem, já que A Vitória do Daleks havia indicado que o Doutor e ele se conheciam muito bem.

O autor do episódio O Doutor, a Viúva e o Guarda-Roupa, Steven Moffat, queria que ele fosse “o especial mais natalinamente natalino de todos os tempos”. Ele disse que “não há nada mais divertido de escrever” que o Doutor no Natal, já que ele considerava “o seu tipo de dia. Tudo é brilhante e reluzente, todos riem e ninguém se importa se você usa um chapéu realmente estúpido”. A história foi inspirada em parte por O Leão, a Feiticeira e o Guarda-Roupa, de As Crônicas de Nárnia, por C. S. Lewis. Moffat disse que as histórias de Doctor Who e Nárnia “vêm do mesmo impulso que as crianças têm de fugir para outro mundo “. Neste episódio, Caroline Skinner estreou como produtora executiva, e Piers Wenger se despediu do cargo.

O episódio A Esposa do Doutor ganhou o prêmio Ray Bradbury Award de 2011 pela melhor apresentação dramática. Também ganhou o prêmio Hugo 2012 de Melhor Apresentação Dramática de curta duração.

Matt Smith – O Doutor
Caitlin Blackwood – Amélia Pond
Karen Gillan – Amy Pond
Arthur Darvill – Rory Williams
Alex Kingston – River Song
Ian McNeice – Winston Churchill
Mark Sheppard – Canton Delaware III
Nina Toussaint-White – Mels
James Corden – Craig
Albert Welling – Adolf Hitler

ELENCO DE DUBLAGEM

Silvio Giraldi – O Doutor
Cássia Bisceglia – Amy Pond
Adrian Tatini – Rory Williams
Alessandra Merz – River Song
Carlos Eduardo “Cadu” – Winston Churchill
Felipe Grinnan – Canton Delaware III
Melissa Lucena – Mels
Alex Morales – Craig
José Carlos Guerra – Adolf Hitler

2 comentários para DOCTOR WHO: 6ª TEMPORADA DA 2ª FASE (DUAL ÁUDIO/1080P) – 2011

  • Francisco Cavalcante  DISSE:

    O Moffat escreveu as temporadas do Matt na base da cafeina, Deus como gosto da maluquice desse Doc e de sua era…
    O Matt é ateu e o Doc dele passou a vida lutando contra um braco da Igreja Católica que queria mata-lo, o que é um fto do minimo engraçado.

    • Lobo Vegetariano  DISSE:

      Não sabia que o Matt era ateu. Não duvido que o Moffat tenha escrito essa luta da Igreja contra o Doutor intencionalmente como uma metáfora para o ator.

PARTICIPE DA DISCUSSÃO, MAS ANTES DE COMENTAR CLIQUE AQUI E LEIA NOSSAS REGRAS DE COMENTÁRIOS. Saiba que todos os comentários são moderados, nós nos reservamos o direto de publicá-los ou não. É proibido divulgar endereço de sites, blogs, fóruns que não sejam de parceiros ou de colaboradores do Tela de Cinema. Nós não permitimos a publicação de links de arquivos nos comentários, para colaborar acesse o menu do blog e procure pela opção COLABORE CONOSCO, ou clique aqui. Nós não recomendamos a divulgação de emails nos comentários, faça isso por sua conta e próprio risco.