DAI A CESAR O QUE É DE CESAR

A regra mais antiga do Tela de Cinema é… “dar os merecidos créditos (informar o nome de quem forneceu originalmente o arquivo de áudio e/ou vídeo utilizado na remasterização e/ou postagem).”

Quando o Tela nasceu, não sei se algum site creditava os arquivos remasterizados que pegava emprestado de outros sites, decidimos que era hora de uma campanha de conscientização, simplesmente não conseguíamos achar justa essa situação.

Disponibilizar gratuitamente um áudio raro, que muitas vezes foi adquirido através de uma compra ou de uma troca é uma atitude nobre, digna de reconhecimento. Poucos sabem, mas remasterizar dá um trabalho monstruoso, e nada mais justo do que reconhecer esse laboro, e então nós nos comprometemos a conceder os devidos créditos a quem de fato merecia.

Aqui no site, todo arquivo que tenha sua origem conhecida é creditado, quando em caso de dúvida, após comprovada sua origem, de pronto nós do Tela de Cinema creditamos o arquivo corretamente.

E nossa iniciativa se espalhou pela rede, gerando inúmeras batalhas épicas e outras atitudes virtuosas.

Por essa razão não podemos admitir que nenhum marujo deixe de lado o verdadeiro propósito do Tela de Cinema e desrespeite as regras do site, utilizando-o tão somente para buscar aqui sua vitrine pessoal, se aproveitando de nossa estrutura e desvirtuando os nossos valores, é inadmissível que se façam de vítimas quando questionados e continuem entre nós gerando um tsunami de conflitos.

Por esse e outros motivos houve a necessidade de incrementar nossas regras. A esmagadora maioria da tripulação do Tela de Cinema decidiu abraçar as novas normas, cientes de seus benefícios, infelizmente, outros preferiram fingir que as regras não existiam.

As mudanças vão continuar aqui no Tela de Cinema, seguiremos no rumo certo e não temos medo de agir de acordo com aquilo que acreditamos, se existem regras, que sejam cumpridas ou então aceite as consequências dos seus atos.

Todos nós devemos estar comprometidos com o compartilhamento verdadeiro e não podemos perder o respeito já conquistado por essa embarcação, que pode passar por várias tempestades, mas continuará a singrar impetuosamente os 7 mares.

 

4 comentários para DAI A CESAR O QUE É DE CESAR

  • MARCOS F.  Disse:

    FAÇO CORO AS PALAVRAS DITAS NO MANIFESTO.
    VALOROSOS MARUJOS IRMÃOS, CONTEM COMIGO SEMPRE.
    VIDA LONGA AO TELA DE CINEMA E VIVA O COMPARTILHAMENTO PURO!!!

  • Johnahex  Disse:

    É até complicado falar em direitos.Quem é dono disso ou aquilo,simples,os verdadeiros donos!Mas tudo bem.Nunca vi em site algum esse tipo de atitude,que é até nobre! Vejo que realmente o Tela está se transformando no “Guardião dos Clássicos do Cinema”,porque aqui, além do compartilhamento entre colecionadores e usuários,há também o tratamento especial de clássicos JAMAIS lançados na cinemateca brasileira.Nem empresas do próprio ramo possui em seu catálogo,filmes raros trabalhados em aspecto de áudio e vídeo como o Tela de Cinema tem! Isso é algo EXCLUSIVO do Tela de Cinema! Por isso que sou a favor da marca dágua em qualquer rmz feita por marujos do Tela,tendo claro,seus devidos créditos ao seu ardoroso trabalho.Como disse algum tempo atrás:”nós somos o futuro Charlie…”

  • Danielclassic  Disse:

    Reconheço o empenho e o carinho de vocês em fazer algo sem ganhar nada em troca é uma aula pra ser levada para a vida pois a maioria do ser humano quer sempre fazer algo e ganhar reconhecimento isso não leva a nada,vocês são demais e especiais me lembro em 2014 eu estava me recuperando de muitos problemas e la estava vocês sempre com uma surpresa todas as segundas feiras é lindo a atitude de vocês ainda que eu não consiga ver todos estes filmes a gente não sabe como é o dia de amanhã mas cada um de vocês tenho certeza que colhera a mesma alegria que eu colhi em todos estes anos que desfruto arquivos no tela se eu desejar toda a felicidade do mundo para vocês ainda é pouco só sei enquanto milhões perdem tempo querendo mostrar o que não são em redes sociais vocês fazem um bem sem mostrar quem vocês são e ai que vem brilha a estrela de vocês pois pela a atitude de vocês, vocês se tornam especiais e importantes na vida de cada um perdemos tudo nessa vida mas nosso passado que é nossa inocência isso não tem preço.presente e futuro nos faz sofrer pois o futuro as vezes do nada passamos por algo e se preocupamos com o futuro e nossa vida se torna vazia mas quando nos lembramos de nosso passado e de coisas boas isso nós faz viver quem vive de passado é museu mas visite um museu e veja se la tem coisa triste? obrigado a vocês amigos do tela pôr sempre e sempre trazer de volta as coisas mais que mais valeram a pena no nosso passado!!!

  • Don Costa  Disse:

    Em todas as sociedades existem leis, regulamentos, regras que guiam o comportamento dos seus integrantes. Tais normas são vitais para se manter a organização estrutural dessas sociedades, pois nem sempre todos os seus membros compartilham integralmente de seus preceitos e formas de pensamento. Valem o senso comum e as escolhas da maioria, uma vez que a unanimidade é praticamente impossível de ser alcançada.

    Esse modelo de organização é adotado em todos os níveis, seja no país onde vive, no condomínio em que mora, no clube o qual frequenta ou na comunidade virtual de que participa. Neste contexto, as normas refletem a cultura e a as idéias da maioria de seus membros, e são tão mais próximas de uma unanimidade quanto menor o número de participantes.

    Em um país, principalmente populoso e multicultural como o Brasil, é óbvio que grande parte das leis desagradará à um ou outro indivíduo. Algumas terão até a rejeição de boa parte da população. Já nos condomínios, até por serem regras relativas tão somente aos relacionamentos internos e à administração coletiva, é muito mais fácil de se chegar à um consenso. Para os clubes, sejam eles esportivos, artísticos, culturais, etc, por reunirem membros com interesses comuns, a criação de normas que agradem à todos é ainda mais fácil.
    No caso das comunidades virtuais, a unanimidade em torno das regras existentes deveria ser facilmente alcançada devido à uma característica bem comum destas normas: elas são absolutamente simples e fáceis de serem seguidas.

    Na comunidade do Tela de Cinema, por exemplo, não há nenhuma regra que seja difícil de ser memorizada e seguida, e todas elas foram criadas para preservar o bom funcionamento da comunidade, para proteger o trabalho de seus membros e para se evitar conflitos com outros internautas e outros sites. Ao longo de seis anos, essas normas básicas tem funcionado e ajudaram o Tela a alcançar o status que possui atualmente.

    Contudo, mesmo normas simples podem ser contestadas por quem pensa diferente. A diversidade é saudável e importante para a evolução humana. Pontos de vista diferentes nos dão uma visão mais ampla do quadro geral e podemos, assim, corroborar ou refutar uma forma de pensamento.

    Porém, mesmo tendo uma visão diferente dos demais, não podemos infringir as regras vigentes apenas por não concordarmos com ela. No máximo podemos contestá-la e pedir sua reavaliação ou a sua revogação, mas com a obrigatoriedade de segui-la à risca enquanto ela estiver em vigor. Em último caso podemos optar por deixar a sociedade cujas regras implementadas nos desagradem.

    Emigrar de um país é dificílimo. Mudar de condomínio é um pouco mais fácil. Trocar de clube, até pela quantidade de clubes existente, é muito mais fácil (exceto se for um clube de futebol – já ouvi falar que torcedor pode mudar de mulher/marido, mudar de sexo, mas não muda de time). Agora migrar de comunidade virtual é extremamente fácil, principalmente em comunidades de compartilhamento de filmes.
    Há inúmeros sites brasileiros que compartilham filmes e séries, e muitos deles possuem regras diferentes do Tela de Cinema. Alguns não exigem sequer que as fontes das postagens sejam creditadas.

    Então, não faz sentido que alguém que não concorde com as regras existentes no Tela continue desrespeitando-as em suas postagens, manchando o bom nome conseguido pelo site e causando conflitos com os demais marujos que seguem as normas e até com outros sites.

    É uma solução simples. Para permanecer no grupo eu tenho de seguir as regras definidas pelo grupo. Se eu não concordo com tais regras eu saio do grupo e procuro outro cujas regras vão de encontro às minhas expectativas. Também há uma terceira via. Criar o seu próprio site e seguir as suas próprias regras. Não é difícil criar uma página com as ferramentas atuais disponibilizadas na rede.

    Mas se preferir permanecer inserido em uma comunidade, deve-se seguir incondicionalmente as regras existentes nesta comunidade, sejam elas quais forem.

    Eu já colaborei, anos atrás, em outros sites e comunidades do Orkut, mas desde que encontrei o Tela de Cinema, com suas regras, seus métodos de compartilhamento e suas diretrizes, migrei para cá e hoje posto, exclusivamente, aqui. Eu não gostava da forma que os outros sites trabalhavam e encontrei, no Tela, uma comunidade que vinha de encontro à minha linha de pensamento. No dia em que o Tela mudar suas regras e sua forma de trabalhar, e eu não concordar mais com elas, eu mudo de site, crio o meu próprio ou simplesmente paro de postar. Mas não posso desrespeitar as regras do site apenas por não concordar com elas.

    Respeito às normas é a base do bom convívio social. O dia em que cada um resolver viver de acordo com suas próprias regras a sociedade tal qual a conhecemos deixará de existir.

    Abraços a todos.

Deixe uma resposta